O défice de participação da sociedade civil portuguesa é o primeiro responsável pelo "estado da nação". A política, economia e cultura oficiais são essencialmente caracterizadas pelos estigmas de uma classe restrita e pouco representativa das reais motivações, interesses e carências da sociedade real, e assim continuarão enquanto a sociedade civil, por omissão, o permitir. Este "sítio" pretendendo estimular a participação da sociedade civil, embora restrito no tema "Armação de Pêra", tem uma abrangência e vocação nacionais, pelo que constitui, pela sua própria natureza, uma visita aos males gerais que determinaram e determinam o nosso destino comum.

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Bebedouros: Não há água que lave a gestão miserável dos dinheiros públicos!




Gastou-se uma pequena fortuna na aquisição dos bebedouros. No contexto da reabilitação da frente-mar e pelo caminho que esta tomou, a sua aquisição fez todo o sentido.

Como aliás todas as papeleiras, as quais pecaram por poucas e pela sua reduzida capacidade. Na verdade, ou se encontram vazias, na maior parte do ano, ou são absolutamente exíguas quando realmente necessárias, durante o verão!

É também durante o verão que os bebedouros mais sentido fazem, desde que funcionem.

Se não estamos em erro, funcionaram, mal, durante o primeiro verão da sua utilização.

Os utentes, justificadamente, exploraram as suas valências para limpar os pés. Cedo se percebeu que, se os venderam para ambos os efeitos, o que se compreende, a sua instalação foi defeituosa já que não acautelou o efeito da acumulação da areia na canalização, problema que seria certamente resolvido sem necessidade de recorrer a um Prémio Nobel da Engenharia.

Os serviços (in)competentes da CMSilves que não acautelaram na fase do projecto para esta evidência, o mesmo fizeram na fase da execução da obra.

Detectado o problema tentaram resolvê-lo em prejuízo dos utentes, impedindo através de um dístico com ordem de proibição inscrita a utilização mais solicitada e deveras útil.

Decorrido mais um ano de utilização, os bebedouros revelam-se incapazes de satisfazer qualquer uma das utilidades para que foram construídos e adquiridos.

A única entidade com obrigação de repor aqueles equipamentos de utilização pública são os serviços da Câmara de Silves e, por conseguinte, ela própria.

Sucede que a Câmara de Silves é gerida por gente que zela sobretudo pelo seu emprego asilar e pouco mais.

Os interesses dos cidadãos, legítimos, pequenos, médios ou grandes não constituem objecto das preocupações da autarquia.

A despesa do município, não goza igualmente de qualquer zelo particular por parte de quem passa os cheques.

Sucede é que, para percebermos as dificuldades que o município e o pais passam, se não percebermos a leviandade da classe politica nos diversos poderes, dificilmente compreenderemos como sair deste atoleiro financeiro em que nos encontramos.

E como burro velho não aprende línguas, não podemos esperar de qualquer dos diletantes que têm tido as rédeas do poder em Silves, algum dia venham a converter-se à eficiência e à eficácia de uma gestão de um bom pai de família, ou a de um homem razoável!

Porquê? Porque ao contrário daqueles, qualquer um destes sabe que:

A ausência de dinheiro faz-nos pobres, mas o mau uso dele faz-nos miseráveis.(Augusto Cury)

6 comentários:

Pedro Marques disse...

Um exemplo da impunidade dos responsáveis por gestão pública danosa.
Exemplo como estes estão na raiz da corrupção que grassa nas autarquias e empresas do Estado.
A razão de isto acontecer está o sentimento de impunidade dos gestores públicos, que se consideram “uma casta à parte”.
Parabéns pelo blog que desconhecia, voltarei mais vezes porque gosto de Armação de Pêra.

Anónimo disse...

Um blog da Cidadania,devia tambám apelar à cidadania, ao dever cívico e ao viver em comunidade. O uso incorreto das papaleiras e dos bebedouros não é aqui tratado e são eles o principal problema destes equipamentos. Eu, como frequentador de Armação de Pêra, observo estes comportamentos.

Anónimo disse...

Pelos vistos e pelo escrito no comentário anterior, aplica-se perfeitamente a frase de Augusto Cury.

Anónimo disse...

Concordo absolutamente o problema é da falta de educação das pessoas que fazem mau uso dos equipamentos que tem à sua disposição.
O que me custa é esta critica sem sentido que fazem a pessoas que dão o seu melhor para Armação de Pêra.

Anónimo disse...

Querem lá ver que, em pleno mês de agosto, os recipientes estão vazios e o lixo está todo fora? Mas alguém acredita nisto? Eu acredito no que vejo: varredores que passeam carrinhos do lixo; camiões que, ao tirar os sacos dos moloks derramam o líquido que lá está, pela rua; não vejo ninguém lavar o chão junto aos moloks e os moloks; Vejo que Armação de Pera está abandonada , entregue à sua sorte!

Anónimo disse...

O anónimo do cometário anterior confunde papeleiras com "lixeiras. Com este grau de conhecimento, não admira o comportamento geral e a defesa do mesmo.
Quanto ao locais de depósito de lixo, é evidente que está a ser prestado um serviço bastante mau.

Armação de Pêra em Revista

Visite as Grutas

Visite as Grutas
Património Natural

Algarve