O défice de participação da sociedade civil portuguesa é o primeiro responsável pelo "estado da nação". A política, economia e cultura oficiais são essencialmente caracterizadas pelos estigmas de uma classe restrita e pouco representativa das reais motivações, interesses e carências da sociedade real, e assim continuarão enquanto a sociedade civil, por omissão, o permitir. Este "sítio" pretendendo estimular a participação da sociedade civil, embora restrito no tema "Armação de Pêra", tem uma abrangência e vocação nacionais, pelo que constitui, pela sua própria natureza, uma visita aos males gerais que determinaram e determinam o nosso destino comum.

quinta-feira, 29 de abril de 2010

"A crise actual e a bolha de crédito na Idade Média"

Paralisação dos mercados de crédito, subida das taxas bancárias, falta de liquidez e falências de instituições financeiras. Os investigadores dizem que este padrão já se observava na época medieval.

De acordo com um estudo de investigadores da Universidade de Reading, em Inglaterra, o sistema financeiro já se encontrava em estado bastante avançado no século XIII.

Eram cobradas taxas de juro ajustadas ao grau de risco e à duração dos empréstimos e definidos colaterais sobre os créditos concedidos.

Os financiadores eram sobretudo mercadores italianos, como os Ricciardi de Lucca, ou burgueses flamengos que criaram entre eles algo semelhante ao sistema interbancário actual. A sofisticação financeira incluía até contratos de futuros sobre lã, por exemplo, que poderiam servir de colateral a empréstimos concedidos.
O rei de Inglaterra Eduardo I, retratado no filme "Braveheart", foi o primeiro soberano inglês a criar uma relação financeira sistemática com mercadores, nomeadamente com os italianos Ricciardi. Esta família financiava o trono em moldes que os autores consideram similar a "uma conta corrente moderna que incorpora mecanismos de dívida", o que permitia ao monarca financiar os exércitos e a construção de castelos. Os Ricciardi obtiam crédito junto de outros mercadores europeus, criando um sistema semelhante ao mercado interbancário.

No entanto, havia limitações. Cobrar juros por um empréstimo era proibido na época, sendo classificado pela Igreja como usura. Este entrave obrigava as partes envolvidas na concessão de crédito a fazer "contabilidade criativa" para ocultar que estavam a transgredir as regras religiosas.

A crise de 1294

Os Ricciardi começaram a financiar Eduardo I durante a década de 80 do século XIII, altura que os autores do estudo classificaram como sendo de acesso a dinheiro fácil e barato. Mas a bolha de crédito acabaria por rebentar.

Em 1294 o Papa, um dos maiores 'players' financeiros do mundo medieval, exigiu o retorno do valor dos empréstimos concedidos. Ao mesmo tempo rebentou uma guerra entre a França e a Inglaterra, com a Coroa gaulesa a aumentar de forma significativa os impostos aos mercadores. Estes factores criaram perturbações nos mercados de crédito, tornando o dinheiro mais caro e escasso. Para os investigadores, citados pela BBC, a situação "tem semelhanças notáveis com as dificuldades actuais, com a principal causa a ser a falta de liquidez no mercado monetário".

Assim, quando Eduardo I contava com a continuação do financiamento dos Ricciardi, a família italiana, que estava fortemente alavancada, não conseguiu dar resposta. Como medida de retaliação, o soberano inglês confiscou as propriedades dos Ricciardi em Inglaterra, precipitando a falência dos seus habituais financiadores.

A medida de Eduardo I saiu-lhe cara. O monarca teve de procurar créditos de curto prazo, com juros elevadíssimos, junto de outros mercadores. Chegou a ter de pagar uma taxa anualizada de 150%.

Questionados pela BBC sobre como Eduardo I teria lidado com a crise financeira actual, os autores do estudo sugeriram que, provavelmente, teria colocado os gestores dos bancos em prisão domiciliária, sem julgamento, até o governo conseguir recuperar o máximo possível dos seus activos.

O que Stiglitz quis dizer: a leitura também define o leitor


Paulo Pedro no seu blog Banco Corrido postou o texto onde comenta a entrevista de Joseph Stiglitz ao El País que mesmo sem a sua autorização nos atrevemos a transcrever.

Ainda não tinha lido a entrevista de Joseph Stiglitz ao El País e tinha-a recebido filtrada pelo que é notícia em Portugal, segundo a qual ele teria afirmado que se põe a hipótese de Portugal falir.

Como não o acho dado a estes catastrofismos nem a andar de braço dado com os movimentos especuladores, pareceu-me uma afirmação estranha. Tê-lo-ia dito no mesmo sentido em que eu tenho que pôr a hipótese de vir a ter um cancro fatal, embora não tenha indícios disso? Tê-lo-ia questionado a partir de alguma opção do Governo português que achasse reprovável?
Fui ler a entrevista que tem como título "O Euro pode desaparecer"e deparei-me com os parágrafos que transcrevo:

España, claro, está en esa tesitura. Y el Gobierno ha decidido subir el IVA en julio. "No hay solución fácil para España. Si no sube impuestos se expone a los ataques, pero es aún peor subirlos cuando la recuperación aún no ha llegado, porque puede provocar que el crecimiento se ralentice durante años, y eso no previene precisamente contra un futuro ataque especulativo", avisa. Si Grecia es Bear Stearns -el banco de inversión que fue rescatado-, la duda es quién puede ser Lehman Brothers, que quebró meses más tarde. ¿Tal vez España? "Quizá Portugal", dice Stiglitz. Y quizá la pieza sea aún mayor, "sobre todo si no aprendemos las lecciones de esta crisis y de las anteriores".

Stiglitz suele recurrir a la crisis asiática de los noventa como inspiración. Tailandia fue el primer gran país en caer. Los mercados apostaron entonces a que caería Indonesia: Indonesia cayó. Después pusieron en la diana a Corea: bingo. Hong Kong y Malaisia venían inmediatamente más tarde. "Esos dos países tomaron medidas y atacaron a quienes les atacaban: sufrieron, pero pudieron con los especuladores. Esa es la lección que debe aprender Europa. Y esa es la mayor decepción de esta crisis: no hay solidaridad".


Aqui os jornalistas leram que ele disse que Portugal pode falir. E disse. Eu leio que afirmou que a seguir ao ataque à Grécia haverá outros ataques a economias do Euro, talvez a nossa e que se o queremos impedir temos que combater os especuladores já e que garantir que o Euro se dota dos mecanismos de que não dispõe.

Talvez eu esteja a ler enviesadamente as notícias, mas não vejo que elas chamem minimamente a atenção para que o tal risco de falência de Portugal seja um risco de falência do Euro e não a resultante de um erro português. Sem este segundo elemento, a notícia transforma Stiglitz em companheiro de quem é adversário e faz do seu aviso para que a Europa mude de caminho um anúncio de que Portugal por sua culpa vai por caminho errado.

Talvez tudo se resuma a uma diferença de perspectivas, embora implique terapias radicalmente distintas. Os que pensam como Simon Johnson defenderão mais restrições orçamentais unilaterais de Portugal para combater a propensão dos governantes portugueses para o despesismo, os que pensam como Stiglitz defenderão mais solidariedade e concertação europeia para combater em conjunto a crise que a irresponsabilidade do sector financeiro gerou e para a qual estamos a ser arrastados.

A leitura também define o leitor. E preocupa-me ver pouca gente em Portugal, mesmo no centro-esquerda e na esquerda a pôr a tecla no sítio que me parece certo. Acho que estamos a interiorizar processos de culpabilização, como se querer modernizar o país economica e socialmente fosse uma aventura que Portugal não pode permitir-se.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Dia Nacional de Prevenção e Segurança no Trabalho

O dia 28 de Abril é reconhecido desde há muitos anos e em muitos países, como uma data de relevo e importância para a prevenção de riscos profissionais. Originária na América do Norte, a efeméride foi reconhecida pela Organização Internacional do Trabalho e oficialmente instituída em Portugal através da Resolução da Assembleia da República nº 44/2001.







Partido da Sinceridade

"O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano." Isaac Newton


Excelentíssima Senhora Deputada Dona Inês de Medeiros,

Chère Madame,

O IRRITADO teve, aqui há umas semanas, o topete de escrever uma carta a Vossa Excelência sobre a importante matéria das viagens semanais de Vossa Excelência, em classe executiva, a Paris, luminosa quão merecida cidade de residência de Vossa Excelência.

Permite-se agora o cullot de voltar à augusta presença de Vossa Excelência.
Antes de mais, portanto (como diria o camarada Jerónimo), as mais humildes desculpas pelo atrevimento deste seu servo e amigo.Tem o IRRITADO seguido, com a admiração e a estima que, no fundo da alma, nutre por Vossa Excelência, as vicissitudes por que tem passado a história do ingente problema que a aflige: quem paga as viagens de Vossa Excelência a Paris?

Sim, Quem?Parece que ninguém!

Anda meio mundo preocupado com o assunto, sendo o mais aflito de todos Sua Excelência o Senhor Deputado José Lelo[i], mui Ilustre Presidente do Conselho de Administração da Assembleia da República, entidade a quem, sem sombra de dúvida, caberá mandar pagar as viagens de Vossa Excelência.

Ora, como é sabido, o insigne cidadão tem várias dificuldades do tipo mental, coisa de que não terá culpa, uma vez que já nasceu assim. Daí que, por mais voltas que dê ao limitado bestunto com que foi brindado pela criação, não consegue encontrar o competente penduricalho orçamental onde caibam os 1.200 euros que custa cada viagem/semanal em executiva (luxo!) de Vossa Excelência.

Em que triste miserabilismo vive a Pátria do Senhor Dom João V!

Se Vossa Excelência andar por cá uns 10 meses por ano, teremos umas 45 viagens, o que, contas feitas, se cifrará nuns meros 54.000 euros, ou seja, em moeda antiga, uns míseros 10.826.028.000 réis.

Em 4 anos de mandato, a coisa não passará, como é evidente, de 43.304.112.000 réis, ou, em moeda republicana, 43.304 contos mais uns pós.Tem Vossa Excelência toda a razão quando, solene e superiormente, declara "não sei quem paga nem quanto custa".

Era o que faltava, Vossa Excelência preocupar-se com problemas destes, coisa para lelos e quejandos, gente de somenos. Vossa Excelência não sabe, nem tem que saber, o valor em jogo. "Nada disso passa por mim", declarou. Mais. Vossa Excelência, como é de timbre entre os socialistas, não se preocupa com o assunto.

"Escolhi uma (agência de viagens), e passei a marcar por essa: telefono e recebo os bilhetes". É assim mesmo! A altíssima dignidade de Vossa Excelência não permite, sequer, que erga o mimoso cul da poltrona para tratar de coisas menores.

Como é óbvio, alguém traz o bilhete, alguém há-de pagar, Vossa Excelência não desce a problemas de lelos. Viaja, e acabou-se. Muito bem!Teve o IRRITADO a desfaçatez, na sua anterior missiva, de suscitar a curiosidade de Vossa Excelência para o facto de haver cidadãos - ainda que, como é lógico, gente de qualidade inferior à sua - que fazem Lisboa/Paris/Lisboa por uns 150[ii] euros, no mesmo avião que Vossa Excelência utiliza, mas lá para trás, com o cul não tão à larga e sem champanhe nem refeição quente.

É certo que Vossa Excelência não tem que descer ao ponto de aceitar sugestões do IRRITADO. Não pode este, porém, deixar de, com todo o respeito, dizer que, se Vossa Excelência o fizesse, o Lelo gastaria 14,5 vezes menos do que vai acabar por gastar com as viagens de Vossa Excelência.

Tudo isto não passa, como é evidente, de fruto da mentalidade capitalista do IRRITADO, coisa incompatível com a majestática dignidade socialista de Vossa Excelência.

20.3.10 António Borges de Carvalho
________________________________________________
[i] Lelo - doido, vaidoso (Dicionário Universal da Língua Portuguesa, Texto Editora).
[ii] Algo me diz que Vossa Excelência, antes de subir ao altar doirado em que se encontra, viajava por 150 euros, como a plebe. Agora, já nem quer saber quanto custa, ou custava, a sandocha e o assento apertadinho. Pois faz Vossa Excelência muito bem! Socialisme oblige.

terça-feira, 27 de abril de 2010

“Chicoronho” na EB 2/3 de Armação de Pêra


Amanhã quarta-feira dia 28 Jorge de Kaluquembe, autor do livro “ Chicoronho” estará na Escola EB 2/3 de Armação de Pêra, pelas 14h 15m, para apresentar o seu romance histórico.

Não me tirem Armação de Pêra


TORQUATO DA LUZ

Tirem-me tudo: os dedos, os anéis,
a reserva de sonho e de quimera,
mas não sejam cruéis,
não me tirem Armação de Pêra.

Não me tirem o resto da infância
que sei ter deixado aqui
nem esta luz que à distância
me segue desde que parti.

Não me tirem o verde-azul do mar
nem os barquinhos balançando à espera
dos turistas que hão-de ir visitar
as furnas de Armação de Pêra.

Mas sobretudo não me tirem este sol
e a caldeirada do Serol.

DO SEU BLOG OFÍCIO DIÁRIO

Águia sacia a sede antes da deslocação ao Dragão....

Cobrador de promessas...


No texto que postamos em Novembro de 2009 apresentávamos para memória futura as promessas eleitorais com as quais o actual presidente de junta se fez reeleger.

Uma das promessas que faziam parte do seu programa eleitoral era o de diligenciar a instalação de um acesso wireless (Wi-Fi) à Internet.

Não conhecemos se este projecto estará já em andamento, mas seria a cereja sobre o bolo se tivesse sido inaugurado no dia 25 de Abril.

Pensamos que o poder local tem que reinventar os serviços que presta às populações e como é importante divulgar as boas práticas damos o exemplo de quatro freguesias de Guimarães que instalaram antenas e distribuem acesso gratuito à Internet. Com custos perfeitamente comportáveis poder-se-ia construir uma rede de acesso à net que garantiria o futuro a muitas crianças e jovens armacenenses.

Só é preciso vontade e alguma imaginação, será que existirá em Armação?

segunda-feira, 26 de abril de 2010

O nosso conhecimento da história

António Barreto

"As revoluções são sempre incompletas, sempre"



Crítico do estado do País, António Barreto diz que Abril permitiu que os portugueses ficassem "um pouco mais iguais". Uma entrevista ao DN em que fala de Portugal e da política, de Cavaco Silva, José Sócrates e também de Passos Coelho.

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Comemorações do 25 de Abril em Armação de Pêra

Provas de Atletismo



Em parceria com a Junta de Freguesia de Armação de Pêra, o Clube de Futebol «Os Armacenenses» vai organizar Provas de Atletismo na Avenida Marginal de Armação de Pêra, por ocasião das comemorações do 25 de Abril.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

2ª Reunião de comerciantes de Armação de Pêra

Promovida pela Associação Amigos de Armação



No próximo dia 23 de Abril, pelas 21.00 horas, irá realizar-se na sede do Clube de Futebol “Os Armacenenses”, uma reunião aberta a todos os comerciantes interessados.
_______________________________________



Há muito que pensamos e até já o referimos por aqui, lá pelos idos de 2008, que os comerciantes de Armação deveriam formar uma ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, a qual, eventualmente, poderia congregar os comerciantes de Alcantarilha e Pêra, (ultrapassando-se de vez a visão que não alcança mais que o próprio umbigo, típica do individualismo filho de um quadro de miséria onde os nossos pais nasceram, mas que, em boa verdade e em termos relativos já não nos caracteriza hoje) ganhando dimensão e peso político para defesa dos legítimos interesses económicos de quem trabalha e vê o resultado do seu suor malbaratado pela negligência, incompetência, obesidade, diletantismo ou voracidade fiscal por parte dos que nos governam local ou nacionalmente.

Sabemos como a nossa economia é exígua, os recursos naturais relativamente parcos e quanto a nós, o seu principal activo são as pessoas.

De entre estas, as empreendedoras, em qualquer domínio, são imprescindíveis ao desenvolvimento. E sucede que, segundo os dados do último Eurobarómetro, a vontade de trabalhar por conta própria dos portugueses é superior à média europeia que é de 45% e a daqueles 78%. Se se conjugarem estes indicadores com o peso que representa o emprego na despesa pública, que tanto deprime esta economia, poderíamos concluir, no plano lógico, que a concertação dos interesses em presença é possível, residindo nos timings respectivos o seu sucesso.

O tecido empresarial português, como de resto o europeu, é profundamente animado pelas micro, pequenas e médias empresas e o seu peso, nas mais diversas escalas, é, invariavelmente, esmagador.

As associações empresariais têm assim, para além das sinergias que a união permite no seu interesse e das suas actividades, a suprema função de aproximar a lei e a intervenção do Estado na economia das condições ideais de articulação de todos esses factores, no interesse geral.

A lei não é um fim em si mesma. É um instrumento das sociedades civilizadas e organizadas para, com exclusiva obediência aos princípios enformadores da constituição material de um Estado de Direito, regular, em beneficio da comunidade, os seus múltiplos interesses e altera-se as vezes que forem necessárias até o conseguir.

Todos os meios legítimos são por conseguinte desejáveis para aproximar o poder político dos cidadãos em geral e dos agentes económicos em particular, visando o aperfeiçoamento da acção do Estado e a melhoria das condições de desenvolvimento e consistência das actividades económicas e por aí, da imprescindível prestação das PME’s, em sede de economia e responsabilidade social.

Não é expectável que as PME’s de per si reúnam condições para o fazer!
Compete às associações desses múltiplos interesses constituírem-se como interlocutores válidos, o que só será possível atingir com percursos de responsabilidade, conhecimento, missão e credibilidade.

Ao Estado competirá construir com elas, ajustadamente, os quadros legais que se imponham. É para isso que ele existe!

Mas disto, a C.M.Silves e a sua Presidenta, jamais perceberão!

Porém, uma UNIÃO COMERCIAL(de Armação de Pêra, ou de Armação, Pêra e Alcantarilha) pode fazê-los entender! Lá isso pode... Bastará tocar-lhes onde dói mais...

Organizem-se...

A Constituição portuguesa tem frequentemente sido apontada como um factor de bloqueio na sociedade portuguesa, nomeadamente impedindo alterações legislativas necessária á modernização da economia e também do sistema político.

Exemplos disso seriam, designadamente: os conceitos de direitos indisponíveis e de direitos adquiridos, os quais não concedem aos actores sociais, patrões e trabalhadores, a disponibilidade para livremente contratarem no seu próprio interesse e da economia.

Desse modo, os CCT não passam de transcrições das leis do trabalho e pouco mais, restando somente para efectiva negociação entre as partes a questão dos salários.

Em sociedades não condicionadas por factores daquela natureza, por exemplo na Alemanha, verifica-se uma outra versatilidade por parte das grandes empresas como a Bosh, VW, Mercedes, etc., que lhes permite reduzir os seus custos com recurso a soluções imaginativas (por exemplo: mantendo o salário dos seus trabalhadores mas aumentando o respectivo horário de trabalho, reduzindo o pagamento de horas extraordinárias em troca de férias, etc., etc.)o que lhes permite evitar a redução de empregados ou mesmo o encerramento “tout court”, ou ainda a eventual deslocalização para países onde os custos laborais são “escandalosamente” inferiores.
Naturalmente que, em resultado de negociações com os trabalhadores, os quais não se encontram igualmente manietados por imperativos legais daquela natureza.

Tais conquistas do movimento operário, têm historicamente uma razão que se prende com a defesa dos direitos dos trabalhadores, mas também, em conjunturas de crise, podem concorrer fatalmente em claro prejuízo desses mesmos direitos.

Em Portugal diferentemente, mesmo que as partes o pretendam, as conquistas acima referidas impedem soluções consensuais daquela natureza e, deste modo, patrões e trabalhadores, assistem, sem que nada possam fazer para inverter o rumo dos acontecimentos, a empresas a reduzir trabalhadores, a fechar e, ou a deslocalizarem-se(o que sucede com a cumplicidade dos políticos e das centrais sindicais)para mal de todos, da nossa economia, das receitas do estado e da balança comercial do pais.

Os direitos dos trabalhadores, nesses casos, não morrem da doença, mas sim da cura!

A “rigidez” da Constituição foi também fundamentação para a decisão do Tribunal Administrativo, quando deu razão aos trabalhadores que protestavam por serem colocados nos quadros de excedentes da função pública e até para "chumbar" a lei da mobilidade que permitiria ao Estado transferir pessoas de serviços onde há excedentes para outros onde se verifica a sua falta.

Finalmente é ainda a Constituição que é utilizada para manter o conceito de trabalho para toda na vida na função pública (ao invés do que sucede com os trabalhadores por conta de outrem, que não o Estado, onde se pode aplicar a suspensão temporária, o despedimento colectivo, etc.), tudo isto como se os preceitos constitucionais não se aplicassem a todos os cidadãos.

Esta situação tem permitido a manutenção de uma situação de injustiça relativa (essa sim inconstitucional) permitindo regimes mais favoráveis de salários e regalias na função pública, em detrimento dos restantes trabalhadores, fora do Estado.

Na Alemanha há cerca de 2 milhões de trabalhadores na função pública para uma população de 100 milhões. Em Portugal o racio é de cerca de 1 milhão de trabalhadores para 10 milhões de habitantes !!!

O Ayuntamento de Madrid tem um funcionário por cada mil munícipes, enquanto a Câmara de Lisboa tem 2 funcionários por cada mil munícipes.

Seguindo o hábito de nos servirmos das estatísticas europeias para avaliar do nosso desempenho, não podemos, em consciência, ficar muito tranquilos com este cenário comparativo.

Nada disto teria o peso que tem, se esta realidade se verificasse numa empresa privada, uma vez que não sendo involuntariamente accionistas das mesmas, não temos o dever de zelar pelos seus destinos. Sucede exactamente o contrario com o Estado-empregador cuja receita incumbe aos contribuintes e é o seu orçamento que suporta os respectivos custos, não nos sendo indiferente, de todo, as contas irem bem ou irem mal!

Sabe-se, por ser público, que os impostos arrecadados chegam apenas para o pagamento dos salários e restantes encargos sociais. Tudo o resto inscrito no orçamento é pago com recurso a outras fontes, habitualmente o financiamento.

Não se consta que qualquer direcção partidária esteja interessada em fazer o que é preciso ser feito para o orçamento do Estado. Na verdade, quem ousar propor soluções sérias – que passam inevitavelmente pelo emagrecimento da despesa principal que é com os funcionários que excedem o número necessário à eficiência dos serviços - será penalizado fortemente nas urnas, já que dependem, directa e indirectamente, do Estado cerca de cinco milhões de portugueses.

Portanto quem se determina a atingir o poder por via democrática, afasta voluntariamente a realidade do seu discurso eleitoral, sob pena de não se eleger.


Outra questão da maior importância é a revisão da Lei Eleitoral.

O afastamento dos eleitos dos eleitores é visível nas percentagens de abstenção nos diversos actos eleitorais e até nos referendos. O facto de em todas as sondagens sobre o prestígio de que certas profissões gozam na opinião pública, os políticos aparecerem no fim da lista (apenas ultrapassados pelos magistrados) constituindo uma confirmação do que dizemos, não passam de um lugar-comum relativamente cristalizado entre nós.

Os "escândalos " cíclicos que mancham alternadamente o PSD e o PS, ou figuras de topo das suas lideranças, o que constitui uma realidade que se arrasta há décadas, só consolidam a falta de confiança que os portugueses têm na sua liderança política.

Elemento estruturante desta realidade constitui o facto de os deputados serem escolhidos pela máquina partidária, sendo até vulgar estabelecerem-se cotas das distritais e do Secretário geral ou Presidente

Nesta conformidade, os deputados dependem "quase que disciplinarmente" das direcções partidárias, não passando de verdadeirasuma correias de transmissão da direcção do partido, limitando-se a, obedientemente, aprovar os diplomas de acordo com as ordens recebidas.
Os cidadãos dos círculos eleitorais que os elegem, de facto, não se encontram representados na Assembleia da República...

As direcções das bancadas parlamentares podem, até de acordo com os estatutos, decretar o voto, neste ou naquele sentido, obrigatório, o que constitui uma verdadeira violação do espírito do mecanismo da democracia representativa/autonomia do deputado, no alcance da vontade popular.

Deputados que “pisem o risco” não cumprindo as ordens, já sabem que na próxima legislatura serão preteridos na escolha das referidas listas de candidatos a deputados pela direcção do respectivo partido.

Existem por conseguinte, vestígios de ditadura nos partidos, os quais, sem duvida necessários á democracia, mas com um longo percurso de auto reformas para percorrer.

Acresce que os partidos portugueses falharam. Em vez de se tornarem espaços de debate de ideias em ordem a encontrarem-se as estratégias e as soluções para o futuro do país, transformaram-se em meras máquinas ou escadas para atingir o poder, sem ideias e sobretudo sem ética!

O poder não constitui um meio de implementar reformas de fundo, tantas quantas as necessárias a alcandorar o pais às melhores performances possíveis, mas, tão só um fim em si mesmo!

De facto, Portugal tem uma democracia formal e não material.
Para alterar o status quo não vale a pena inventar, se não existirem ideias madurar para inovar/melhorar. Basta copiar!

E o Reino Unido é um bom exemplo.

Precisamos de criar círculos uninominais e também rever o método matemático de aplicação do de Hondt.

Só deste modo passaríamos a ter deputados ligados aos que os elegeram (e obrigados a prestar-lhes contas) e facilitando-se por outro lado a formação de maiorias absolutas, uma vez que quer os governos minoritários quer as coligações não funcionam em Portugal.

Sem dúvida que, deste ponto de vista, só os governos de Cavaco e o 1º Governo Sócrates, foram os governos mais fortes (ou mesmo, ainda que maus) e implementaram medidas contra a corrente e mesmo com manifestações massivas de rua!

No entanto, quer o PS quer o PSD, embora reconhecendo a necessidade destas alterações, cujo estabelecimento vêm negociando desde há cerca de 11 anos, acabam por adiar, discordar e rasgar os acordos, em razão de minudências, o que evidencia que a sua vontade de alterar não é genuína.

Enfim, a classe politica pela-se pelo actual sistema, como macaco por banana...

Compreende-se: estas alterações criariam um novo paradigma para os partidos que perderiam o "controle absoluto" e se veriam obrigados, para sobreviverem, a passarem a ser escolas de pensamento e acção e não mero trampolim dos “Yes men” para o poder, como hoje são.

Uma vez aqui chegados é, portanto, com reserva que vejo o PSD dizer que vai propor alterações (não especificando quais) e que, a nosso ver, não serão certamente as que nos referimos acima porquanto, se o fossem, determinariam um risco acrescido para os resultados nas urnas, ameaçando o resultado do seu partido e o ansiado retorno ao poder, desejo máximo dos actuais, passados e futuros dirigentes.

De igual modo, o Dr. Francisco Assis (que bem conhece as dificuldades que os governos, incluindo o do PS em fazer alterações importantes para o futuro do país), diz que a revisão constitucional não é necessária !!!

Portugal tem realmente um problema de elites: os sindicatos vivem no tempo do PREC(a CGTP, a maior Central, pertence a uma organização mundial de sindicatos que representam a China, a Coreia do Norte e Cuba, por virtude da política sectária do PCP que a domina), os empresários são fracos, têm pouca propensão para o risco e vivem á custa do Estado ou das informações privilegiadas que vêm do Estado, os universitários e intelectuais não se dedicam a debater e a criar novos sistemas que respondam aos desafios económicos e sociais e, claro está, a sociedade civil gera, em coerência e por virtude da partidocracia tal como a conhecemos, também uma classe política, com honrosas mas pouca excepções, pouco mais que medíocre.

A sociedade civil, conformada economicamente por uma iniciativa privada débil, que não consegue gerar a riqueza consentânea com a ideia virtual que os consumidores têm desta economia, conformada por uma classe politica medíocre, incapaz da pedagogia do exemplo, conformada por um Estado pobre que esgota os recursos no pagamento de tributos e favores políticos aos seus aparatik e respectivas e extensas famílias, quer pela via do emprego, quer pela via dos negócios, conformada por uma educação cívica que o Estado não promoveu nem promove massivamente e ainda conformada por uma comunicação social que não cumpre os desígnios de um verdadeiro IV poder, concentrada que está na captação de audiências pela via do medo, a sociedade civil dizíamos, na óptica do muito que se espera dela, também tem feito muito pouco.

Debate (histórico) entre Mário Soares e Álvaro Cunhal

quarta-feira, 21 de abril de 2010

"Percutunes” actua em Armação de Pêra


O Grupo de Percussão "Percutunes” actua em Armação de Pêra no dia 4 de Julho, junto à praia, a partir das 21H:30m

terça-feira, 20 de abril de 2010

"É mais fácil obter o que se deseja com um sorriso do que com a ponta da espada." William Shakespeare


Esta carta, remetida pelo Ministro do Trabalho do Governo Espanhol a um trabalhador português, amigo deste blog, que encontrou trabalho em Espanha, o qual se inscreveu pela primeira vez naquele sistema de segurança social, constitui um exemplo de muitos pontos de vista.

UM EXEMPLO de atenção ao cidadão contribuinte que o distingue pessoalmente na sua individualidade, quase informalmente, evidenciando-lhe que integra uma comunidade de pares e cujo esforço contributivo é apreciado e valorizado.
UM EXEMPLO de proximidade democrática entre cidadãos contribuintes e administração, num plano de cooperação nos interesses da comunidade e na sustentabilidade da solidariedade de todos para com todos.
UM EXEMPLO de inclusão comunitária, porquanto o cidadão contribuinte não é um número, uma peça numa engrenagem, que mais tendencialmente o exclui que o inclui, mas sim parte no contrato social.
UM EXEMPLO de pedagogia, porquanto, acreditamos que o sistema de sustentação de uma grande parte das contribuições sociais de que o cidadão é destinatário não se encontra generalizadamente assimilado.
Persiste a distancia que assume frequentemente a sobranceria, típica do autoritarismo que degenera a autoridade democrática, em muito pela comunicação deficiente da Administração ao cidadão contribuinte quanto à razão de ser das contribuições, dando esta muitas vezes a perceber que também ela desconhece a essência da relação comunitária que em democracia existe necessariamente com os seus cidadãos -mandantes- e o papel de mera mandatária que lhe cabe.

Em muito também pela iliteracia que ainda grassa pela comunidade, contribuinte liquida da falta de consciência dos poderes de cidadania por parte dos seus titulares. Mas em muito também por falta de formação cívica cuja promoção incumbe ao Estado e que, tão massivamente quanto é necessária face aos níveis de consciência cívica existentes, constitui um escandaloso défice do nosso sistema de educação, sustentado pelo cidadão contribuinte.

O Estado e a Classe politica esquecem que não tivemos alguma vez na nossa história uma geração sequer que tivesse vivido em democracia. Não pode, por isso, contar com aqueles avós que, com a sua experiência de vida, possam contribuir para integrar mais uma lacuna da educação oficial na formação cívica dos cidadãos-estudantes.

Em Espanha, realidade que não dominamos, também não se consta que uma geração tenha vivido em democracia, sem embargo do período republicano que foi mais curto (1931 a 1936)que a nossa primeira república (1910 a 1926), mas, pelo exemplo que esta carta constitui, parece-nos claramente que algo mais estará a ser feito para a construção das consciências cívicas e com elas o exercício mais eficiente dos poderes de cidadania.

Não queremos “alinhar” na ideia da perfeição do politica fiscal espanhola porquanto, como já referimos, trata-se de uma realidade que desconhecemos, nem queremos atribuir a uma “circular” assinada mecanicamente pelo ministro respectivo, com um texto simpático e até caloroso, um exemplo das conquistas dos cidadãos-contribuintes espanhóis que devia fazer escola em Portugal, mas não podemos deixar de a valorizar por, pelo menos em si, revelar uma interacção diversa entre Administração e contribuinte, sem dúvida mais próxima do que "deve ser" que aquelas a que estamos habituados.

De facto, desafiamos qualquer um a não sentir o que quer que seja de emocional quando o tratam por querido amigo...

Não será de estranhar portanto assim que o amigo do blog, depois de nos dar a conhecer o teor da carta, tenha comentado: Assim...até dá gosto contribuir....

domingo, 18 de abril de 2010

MANIFESTO AO PLANETA DOS BANANAS SOBRE A ACEITAÇÃO DESTE ESTADO DE COISAS...



REPÚBLICA DO PLANETA DOS BANANAS


Estatuto do fomento e desenvolvimento do habitante banana ideal

Preâmbulo

O desenvolvimento ideal da sociedade planetária e do Planeta, têm sofrido atrasos preocupantes, motivados pela progressiva generalização de direitos, liberdades e garantias, profusão esta que afecta profundamente os verdadeiros interesses do desenvolvimento do habitante banana ideal, ameaça a coerência do sistema de exploração de todos os recursos do planeta e sacrifica os naturais interesses económicos, políticos e pessoais dos seus legítimos titulares.

Importa assim regular a sujeição do habitante banana ideal ao interesse geral por forma a deixar de constituir um obstáculo sistemático ao desenvolvimento daqueles interesses cuja preservação garante a regular exploração dos recursos do planeta, como se impõe para a felicidade de todos.

Princípios fundamentais

1.- Os interesses económicos das classes dominantes encontram-se organizados de forma sistémica e devem ser preservados acima de quaisquer outros.

2.- A organização politica da sociedade existe para preservar a ordem pessoal e social ao serviço dos diversos sistemas de desenvolvimento daqueles interesses.

3.- O habitante Banana Ideal tem o dever de ser feliz no respeito pelos interesses fundamentais da Republica do Planeta das Bananas e nos termos previstos neste estatuto.

Título I :Deveres fundamentais
Cláusula Primeira
Eu aceito que:

-Felicidade é conforto;
-Amor é sexo; e
-Liberdade é ter dinheiro para poder satisfazer todos os meus desejos.

Cláusula Segunda
Eu aceito usar o que tenho de mais valioso, o meu tempo, para trabalhar e poder comprar muitas coisas como forma de preencher esta vida tão vazia.

Cláusula Terceira
Eu aceito que o valor de uma pessoa dependa da sua capacidade para gerar dinheiro e de aparecer ou não na televisão.
Tomarei como minhas referencias pessoais as pessoas que apareçam na televisão e procurarei ser como elas!

Cláusula Quarta
Eu aceito ser uma peça de um sistema, adaptar-me a ele e ensinar os meus filhos a adaptarem-se ao mesmo.
A minha prioridade é manter-me no sistema e nunca me questionar se me permite ou não ser feliz.

Cláusula Quinta
Eu aceito que os mais velhos sejam considerados um estorvo e não sejam nunca o nosso modelo, porquando sendo a nossa a civilização mais avançada do planeta (e do universo, já que é impossível que existam mais) sabemos que a experiência não tem nenhum valor.

Cláusula Sexta
Eu aceito não fazer perguntas, fechar os olhos ao que vejo e não me opor a nada, porque estou suficientemente ocupado com os meus próprios problemas.
Eu aceito também defender este contrato com a minha vida, porque tenho medo da mudança.

Cláusula Sétima
Eu aceito que o sistema actual é o melhor possível. Já passou a época dos grandes ideais. No mundo devem mandar as pessoas sensatas e realistas que procuram manter o sistema. Tenho medo que as coisas mudem porque os sonhadores trazem problemas e instabilidade.

Título II :Dos Deveres de Sujeição à Autoridade e à Violação da Privacidade

Cláusula Oitava
Eu aceito que as autoridades guardem, tratem e cruzem todos os meus dados pessoais, quer estejam à sua disposição ou não. Confio nelas e não me importa transportar um microchip, nem dar a minha identificação ocular ao entrar noutro pais, nem ter de mostrar o conteúdo do meu computador nos aeroportos.

Cláusula Nona
Eu aceito que se guardem todos os meus e-mails durante 5 anos ainda que eu os apague e que empresas como a YAHOO dêem acesso às contas às autoridades chinesas, permitindo assim prender dissidentes.
Eu aceito a tecnologia que permite que os telemóveis possam retransmitir o que ouvem mesmo quando o seu proprietário o tenha apagado e acho suspeito quem retira a bateria do seu telemóvel para evitá-lo.

Cláusula Décima
Eu aceito que a investigação relacionada com a minha saúde esteja na mão de empresas cuja única motivação é gerar lucros.
Não me preocupa que as farmacêuticas financiem os congressos de medicina e que controlem assim a informação que chega aos médicos.
Confio na indústria farmacêutica e em gente como Donald Runsfeld, accionista e ex-presidente da farmacêutica que desenvolveu o tamiflú.
Não creio que sejam capazes de criar virús como o da gripe A para enriquecer.

Título III: Dos Deveres dos Consumidores

Cláusula Décima Primeira
Eu aceito a busca do conforto como o fim supremo da humanidade e a acumulação de riquezas como o maior objectivo da nossa vida.
Quanto mais infeliz for, mais consumirei e assim contribuirei para o bom funcionamento do sistema.

Cláusula Décima Segunda
Eu aceito que a publicidade conte mentiras e que me faça desejar coisas e produtos.

Cláusula Décima Terceira
Eu aceito comer carne bovina tratada com hormonas, sem que exista obrigação legal de indicá-lo em nenhuma etiqueta.
Eu aceito servir de cobaia e comer carne de animais criados com alimentos transgénicos, para comprovar se aparece alguma anomalia na nossa espécie a longo prazo.

Cláusula Décima Quarta
Eu aceito que os vegetais que ingiro tenham recebido pesticidas e herbicidas tóxicos para a minha saúde, desde que não os usem demasiado...
Eu aceito que se utilizem todo o tipo de aditivos químicos na minha alimentação, porque estou convencido de que se os utilizam é porque sabem que não há nenhuma consequência a longo prazo.

Cláusula Décima Quinta
Eu aceito que os transgénicos se expandam por todo o planeta e que as multinacionais agroalimentares que alimentam seres vivos acumulam enormes dividendos por eles e controlam a agricultura mundial.
Estou convencido de que é moral especular com os preços dos alimentos, para que o sistema de mercado garanta que os recursos sejam distribuídos de forma eficiente.

Cláusula Décima Sexta
Eu aceito pagar o preço mais baixo possível pela carne dos animais que como, pelo que me parece bem que os tratem mal, para baixar os preços da sua carne.
Ao fim e ao cabo somos uma espécie superior.
Em consequência, se viesse outra espécie superior de outro planeta, parecia-me lógico que fizessem o mesmo connosco.

Cláusula Décima Sétima
Eu aceito a concorrência como base do nosso sistema, mesmo quando estou ciente de que este funcionamento engendra frustração e cólera para a maioria.
Substituir a concorrência pela colaboração seria um erro fatal.

Título IV : Dos Deveres de Sujeição ao Sistema Económico e Politico

Cláusula Décima Oitava
Eu aceito que o poder esteja nas mãos das pessoas mais ambiciosas e com menos escrúpulos.

Cláusula Décima Nona
Eu aceito que os partidos políticos aglutinem o pior do país, que a cada 4 anos me contem o que sabem que quero ouvir, para chegarem ao poder.

Cláusula Vigésima
Embora a nossa história esteja cheia de conspirações politicas e políticos ambiciosos, eu aceito que agora tudo mudou e que os nossos dirigentes só procuram o nosso bem. As organizações secretas de políticos e grandes magnates como o club BILDERBERG, a TRILATERAL ou o Comité dos 300 não existem e ninguém visa estabelecer um governo mundial através dos organismos internacionais.

Cláusula Vigésima Primeira
Eu aceito a politica de “revolting doors” (portas giratórias).
Sei que os directores de organismos internacionais como a OMS, a OIT, o FMI e o Banco Mundial são ex-empregados de grandes corporações, que sabem que “portando-se bem”, voltarão a essas corporações no ano seguinte ganhando quantidades astronómicas.

Cláusula Vigésima Segunda
Eu aceito que se façam guerras por motivações económicas como o petróleo, reactivar a economia ou dar saída aos stocks de armas obsoletas
Há que fazer seja o que for para manter o sistema em marcha, porque é sem dúvida o melhor possível.

Cláusula Vigésima Terceira
Eu aceito que se condene à morte o próximo e nos convençam a acabar com ele, sempre que o seu governo tenha sido declarado pelo nosso, como seu inimigo.

Cláusula Vigésima Quarta
Eu aceito que se paguem fortunas a jogadores de futebol e a artistas, para convertê-los nos nossos modelos a imitar.
Parece-me totalmente lógico que se pague muito pouco aos professores que se encarregam de formar gerações futuras.

Cláusula Vigésima Quinta
Eu aceito que os bancos internacionais emprestem o meu dinheiro a países que querem armar-se para a guerra, e que possam escolher onde irão ter lugar as guerras.
Sou consciente de que o melhor é financiar ambos os lados para que o conflito se mantenha o maior tempo possível, não só para ganhar mais dinheiro, mas também para que eles depois paguem com os seus recursos quando não puderem devolver os empréstimos.

Cláusula Vigésima Sexta
Eu aceito deixar o meu salário nos bancos para que eles o administrem e apliquem, independentemente da sua moralidade ou do seu impacto ambiental.
Assumo que os investimentos mais lucrativos são os que exploram os cidadãos dos países em desenvolvimento e apoio por completo estas actuações.

Cláusula Vigésima Sétima
Eu aceito que as multinacionais não apliquem as conquistas sociais do ocidente nos países desfavorecidos. Apoio que hajam crianças trabalhando, para que os produtos que compro tenham o preço mais baixo possível.

Cláusula Vigésima Oitava
Eu aceito a hegemonia do petróleo na economia, apesar de ser uma energia cara e poluente, e estou de acordo em impedir qualquer tentativa de substituição porque a implantação de métodos de energia livre já descobertos e silenciados seriam uma catástrofe para o sistema.

Cláusula Vigésima Nona
Eu aceito a destruição da floresta e o desaparecimento das espécies naturais.
Parece-me lógico contaminar e dispersar pelo ar venenos químicos, assim como enterrar resíduos radioactivos que não estarão a salvo de um grande terramoto.

Cláusula Trigésima
Eu aceito que se destruam toneladas de alimentos para que não baixem os preços internacionais.
Parece-me melhor que oferecê-los às centenas de milhares de pessoas que morrem de fome todos os anos.

Cláusula Trigésima Primeira
Parece-me bem que haja países como o Haiti, onde muitos, à falta de outra coisa, comam bolos de terra. Como todos somos egoístas, estou convencido de que, no fundo, todos estamos de acordo com esta situação.

Título V: Dos Deveres de Sujeição à Informação dos Média

Cláusula Trigésima Segunda
Eu aceito que os meios de comunicação estejam concentrados nas mãos de grandes poderes económicos porque sei que farão um bom uso deles.
Aceito acreditar só no que os meios de comunicação dizem e, pensar que o que se diz fora deles são boatos para gente inculta e crédula.
Eu aceito esta “matriz” na qual me colocaram para que não possa ver a realidade das coisas. Sei que o fazem para meu bem...

Cláusula Trigésima Terceira
Eu aceito que as noticias compilem o que de pior se passou no planeta nesse dia, para que me sinta impotente e pense que não há nada que se possa fazer.
Sei que alimentar o medo, a raiva e o desespero é o melhor que podem fazer por nós, porque crer que se pode mudar algo é perigoso.

Cláusula Trigésima Quarta
Eu aceito as “versões” dos acontecimentos dadas pelos “média” e apoio todas as divisões entre seres humanos de acordo com as versões dos governos.
Desta forma poderei focalizar a minha cólera para os inimigos designados por eles e não me oporei a acções bélicas que respondam aos interesses politico-económicos.

Título VI: Da Renúncia aos Direitos à indignação, à resistência e à desobediência

Cláusula Trigésima Quinta
Eu aceito esta situação e admito que nem eu nem ninguém pode fazer nada para mudá-la.

sábado, 17 de abril de 2010

Armação de Pêra. O ciclo do Areal...e a Linearidade da Falta de Estratégia e de Capital Humano. Que Futuro?

O Mar o leva o Mar o traz…

Nesta época balnear, a areia foi a banhos para outras paragens.


Neste Verão, como já vimos noutros, o areal não nos vai priveligiar em extensão. É o ciclo magro que alinha com a depressão económica, para não destoar.

Mesmo com menor afluência(?se assim vier a suceder?)um areal escasso irá colocar ainda mais a nú a má gestão na distribuição do espaço para toldos, nas áreas concessionadas.

Esperemos que o bom senso impere e que, nessa matéria, venham os concessionários e a fiscalização aos mesmos, a agir em conformidade com a escassez do espaço.

O desconforto para os banhistas que não optam pelo aluguer de um toldo,que são muitos como sabemos, em ciclos abastados de areal é grande, porquanto as áreas concessionadas exorbitam a sua ocupação do espaço disponível.

Imaginamos o que será, se persistirem no abuso, em ano de areal minguado, sem fiscalização que os acantone no seu devido lugar.

O prejuizo será, para já, para o conforto desejável dos utentes. Para futuro, o prejuizo será para Armação de Pêra e sua economia dependente, no essencial, desses mesmos banhistas que se continuam a tratar como se deles não dependessemos.







Resultam estas preocupações não só dos direitos dos consumidores do espaço público que o areal constitui, mas também das recentes estatisticas acerca do declineo do turismo algarvio.

De facto, apesar da oferta do Algarve ter melhorado entre 2001 e 2009, verificou-se uma quebra de dormidas de estrangeiros na ordem de mais de três milhões, das quais os ingleses são responsáveis por cerca de um milhão e meio.

Dizem alguns observadores atentos que o Algarve tem falta de estratégia e capital humano. Mais apontam que tudo no Algarve continua muito atávico, embrionário e confuso. Referem ainda que, cá dentro perdemos para o Douro e lá fora para Espanha. Não podemos estar mais de acordo. Basta-nos ser Armação de Pêra, Municipio de Silves e não sermos trouxas de todo para sabermos isso, de há muito...

É também de há muito que Armação de Pêra constitui um bom exemplo da degenerescência da qualidade desta oferta algarvia.Os sinais começaram há muito e as evidências também. Só não viu quem não quis. Literalmente: quem não quis ver!

Aqui, como em muitas outras sedes, os responsáveis só podem ser aqueles que têm os poderes para fazer diferente e não fizeram ou fazem.E não fazem porque não querem ou não sabem, ou, pior ainda, porque não sabem nem querem!

A Câmara Municipal de Silves e as suas Presidencias,especialmente a última, dada a tentacular e excessiva betonização, num tão curto (e extenso) lapso de tempo, são as responsáveis pela quase total despersonalização, desqualificação, vulgarização e consagração do Kitch suburbano nesta Vila.

Tudo isto como se o turismo, que vende 7.000 milhões de euros anuais, não fosse a maior "empresa" exportadora de Portugal, cuja economia, como todos sabemos, é de uma insipiência preocupante.

E se estes dados - incontestáveis - são tremendamente importantes para o país, são-no ainda mais esmagadoramente importantes para a economia de Armação de Pêra.

Falta de estratégia e de capital humano, se são apontáveis ao turismo do Algarve, são-no muito mais à C.M.Silves em geral e no que lhe compete em matéria de turismo, designadamente na competência exclusiva que lhe cabe no urbanismo aberrante que converteu a sede deste extraordinário património natural, numa Vila suburbana de 3ª categoria.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Afinal, os Fazedores de Chuva, existem!



Numa cidade do interior da velha China, ocorreu uma seca terrível. Os rios, as barragens, os açudes iam secando; o gado, as cabras, os bodes, a vegetação, tudo ia morrendo.

O povo passava fome; com as crianças desnutridas intensificava-se a mortalidade infantil. Diante de tamanha calamidade pública, a Câmara dos Vereadores reuniu-se na busca de uma solução. Um dos Vereadores sugeriu que se contratasse um “fazedor de chuva” que ganhara fama na capital.

A Câmara autorizou o Vereador a fazê-lo. Ao chegar à cidade o fazedor de chuva, o presidente da Câmara perguntou quanto cobraria para realizar o milagre da chuva. O mítico milagreiro respondeu-lhe: a soma acertaremos depois.

Por ora, faço duas exigências: que me arranjem um lugar afastado da cidade, uma pequena cabana onde possa repousar e que me tragam diariamente um pão e um copo de água.
Atendidas as exigências, o fazedor de chuva, sozinho na cabana, concentrou-se em profunda meditação.

Passados 15 dias, as chuvas chegaram, os rios ganharam água, os açudes sangraram, o verde voltou à paisagem, os animais reanimaram-se, a alegria voltou às ruas.

A Câmara de Vereadores prestou todas as homenagens ao Fazedor de Chuva e quis saber como havia conseguido o extraordinário milagre.

Respondendo à natural curiosidade, disse: Ao chegar a esta cidade encontrei as pessoas completamente angustiadas, as mentes perplexas, alteradas, divididas, neuróticas.

Naquelas circunstâncias pedi o que de melhor vocês podiam oferecer e com maior sacrifício: uma cabana tranquila, o pão e um copo de água. Distanciado da neurose colectiva, concentrado, meditando, estava imune às tensões vividas pelo povo. Recebia o que precisava. E como estava inteiro, com a MENTE EM PAZ E NÃO DIVIDIDA, naturalmente fui atraindo as coisas boas. As Chuvas chegaram até mim e por extensão a toda a cidade e região.

Moral da estória: É certo que a divisão interna e a neurose, são a principal causa de nossos desajustamentos, da nossa infelicidade, mas os Fazedores de Chuva que existem em abundância não são os da fábula, nem os artistas que o vídeo exibe, pois daqueles já não há mais e estes assumem-se como pantomineiros.
Os Fazedores de Chuva que temos, aqueles cuja profissão é prometer a satisfação de necessidades legitimas, hoje em dia, deixaram de ser interpretes da esperança e converteram-se de solução em problema. São os que geram a frustração, a divisão, as tenções, a neurose colectiva, os desajustamentos e a infelicidade.
Porque estão longe dos responsáveis do poder na cidade da fábula. Os seus descendentes, hoje, não podendo recorrer a um Fazedor de Chuva que não existe, chamam esse papel para si, tão só para fazer crer que a Chuva virá, sabendo de antemão que ela só chegará, por obra e graça do acaso!

terça-feira, 13 de abril de 2010

Revista "Nova Águia"


A Direcção da Sociedade de Instrução e Recreio Messinense organiza, no dia 16 de Abril, às 21h30, a apresentação pública da Revista "Nova Águia" - Revista de Cultura para o Século XXI.

A apresentação contará com a presença de Renato Epifânio, um dos directores da Revista e irá decorrer na sede da Sociedade de Instrução e Recreio Messinense, em S. Bartolomeu de Messines.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Um Coelho a passo ou mais uma lebre a fugir ao essencial???

Comecemos pelo que parece bem:

Passos Coelho tem a vantagem de, tal como Cavaco Silva (quando foi fazer a rodagem ao carro), não estar ligado aos barões do partido e ter escolhido como operacionais indivíduos não enfeudados ao chamado "cavaquismo" os quais, como o eucalipto, tem secado o PSD, mas também e sobretudo por não serem ex ministros ou dirigentes governamentais proeminentes.

Isso dá ao PSD a possibilidade de se demarcar dos "erros do passado" e ignorar casos como os submarinos, o BPN e as políticas assassinas de estagnação da Dra Ferreira Leite.

Daí ter imediatamente concordado com uma comissão de inquérito aos submarinos sabendo que ela salpicará gente importante no PSD (o que vem mesmo a propósito para consolidar o seu poder interno) e também o CDS e o seu Presidente (o que também ajuda tendo em conta o facto do CDS ter obtido uma performance inesperadamente boa nas últimas eleições e também ganho protagonismo na negociação com o governo em contraponto á direcção estagnante do PSD).

Se isto não for apenas tacticismo político e traduzir uma saudável intenção de enveredar por uma política "limpa", será certamente benvindo.

Tem, no entanto, muito que andar para convencer o povo, dada a desconfiança metódica que os portugueses têm, justificadamente, pela classe política.


Agora o que parece, para já, mal:

Ao propor uma bizarra comissão presidida por um ex-Presidente da República, independente do governo para escrutinar a nomeação dos gestores públicos, parece-nos que começou mal, a saber:

1. A actual legislatura tem poderes constituintes. Será por conseguinte de aproveitar esta ocasião para alterar normas constitucionais e por decorrência leis que se têm transformado em autênticas forças de bloqueio no progresso do país.

Por exemplo nos conceitos de direitos adquiridos que não tem permitindo uma lei laboral ao nível do que existe nos países da UE.

Por exemplo na Lei eleitoral introduzindo círculos uninominais permitindo a existência de governos fortes de maioria absoluta (comprovadamente os únicos que funcionam desde Abril) e sobretudo fazer os deputados depender e prestar contas aos cidadãos que os elegeram, em vez de serem meras vozes do dono seguindo disciplinadamente as ordens das direcções partidárias.

Por exemplo na Justiça, alterar o status quo, encontrando soluções constitucionais por forma a reformar o sector em conformidade com o seu verdadeiro desiderato em democracia, onde cabe ao cidadão ser o centro do sistema e não o estado ou as profissões do foro. A independência dos Tribunais, sagrada num estado de direito, é um direito dos cidadãos e não um direito dos Tribunais. Uma revisão constitucional é a sede própria para começar a pôr ordem na justiça. Com base em sãos princípios, velhos de séculos, mas que tardam em ver-se aplicados na lei fundamental.

Certamente outros haveria tão importantes. Portanto em legislatura com poderes constituintes, o PSD vir com esta solução da comissão como a 1ª prioridade, leva a pensar que não tem ideias e que continua a delinear propostas ao sabor dos ventos do momento numa navegação à vista, o que é absolutamente redutor e não é um bom prenúncio.

2.No entanto, se tal proposta fosse lógica e exequível, seria , apesar de tudo, uma contribuição positiva.

Infelizmente não se descortina como tal Comissão poderia ter algum efeito útil, porquanto:

(a) Os Presidentes da República não dão por si só garantias de isenção dado que, com a excepção de Eanes, todos foram dirigentes máximos do partido que os apoiaram.

É portanto expectável que a nomeação desta Comissão seja mais uma oportunidade para um novo patamar da luta político partidária, ficando essa comissão desde logo ferida de morte.

Com o habitual maniqueísmo na nossa política, servirá apenas para lutas de poder e não para desempenhar o papel isento que dela se espera.

O PS certamente quereria o Dr Sampaio e o PSD, o Dr. Cavaco e assim sucessivamente.

(b) Os Presidentes da República não têm, também eles, como lídimos representantes da classe política, demonstrado que a sua "transparência de processos" existe e é diferente dos outros políticos. Por outro lado, a sua escolha de pessoas verificou-se ser igualmente falível, talvez com a excepção de Sampaio.

Mas todos se recordam do problema do Governador de Macau no mandato de M. Soares, o livro do Rui Mateus, nunca provado mas também não desmentido, e pelo hábito tão comum que tinha o Dr. Soares de arranjar lugares para os amigos.

Também nos lembramos que o Dr. Cavaco trabalhou com acusados recentes como o seu ex ministro da Saúde Arlindo de Carvalho, o seu ex secretário de estado Oliveira e Costa e finalmente o seu escolhido para o Conselho de Estado Dias Loureiro!

Por outro lado, ainda nos lembramos da questão das escutas numa conspiração que não conseguiu explicar e que, quem o apoia, pensava impensável acontecer.
Portanto parece ser óbvio que, também por estas razões, a referida comissão estaria ferida de morte antes mesmo de começar as suas actividades.

(c) A existência de indivíduos corruptos não significa que, automaticamente, todos os gestores são corruptos. E a sua nomeação por Presidentes da Republica como é provado acima, não dá mais garantias que as nomeações efectuadas pelos Governos.

Finalmente não é arranjando sistemas de fiscalização que existem apenas em função da assumpção de que o Governo possa ser corrupto, que se consegue dignificar a função fundamental do órgão de soberania governo de quem os cidadãos precisam acreditar para gerir o interesse público.

O respeito pelos governos é feito pela actuação honesta e pela capacidade de liderança dos dirigentes e não por sistemas que são baseados na desconfiança a priori.

(d)Igualmente parece-nos uma redundância.
já temos inspecções em cada Ministério, já temos o Tribunal de Contas e também a UE, temos auditores internos e externos nas empresas públicas, para além de, é claro, a própria AR.

Não precisamos de mais "comissões" que custam dinheiro que já é pouco e mal utilizado. Não precisamos de novas instituições fiscalizadoras. Precisamos é que as instituições actuais funcionem e justifiquem o dinheiro que nelas é investido e precisamos que o sistema de justiça funcione e penalize os prevaricadores.

No entanto, infelizmente nenhum partido apresenta propostas para reformar o sistema de justiça doente e pachorrento que possuímos ou para pôr termo às terapias que se vão encontrando para o mesmo, à custa do sacrifício dos direitos dos utentes da justiça.

O Dr. Passos Coelho disse no congresso do PSD ser esse partido e implicitamente ele próprio um reformista e não, aquele e este, um revolucionário.

Com isto queria dizer que são ambos apologistas da evolução na continuidade. Nada de solavancos...

Concordamos com a evolução. E porque estamos em Portugal, concordamos, concedendo, que a velocidade seja a possível.

Mas para assim ser precisamos de duas certezas. Uma que temos um plano para atingir um fim. Outra, que estamos em andamento, prosseguindo esse mesmo fim.

O que nós queremos dizer é que, isto que queremos é o que qualquer estadista quereria, não necessariamente o que mais um politico médio da média da nossa classe politica quererá!

As propostas inócuas do Dr. Coelho, que o mais elementar senso comum obriga a classificar como: “mais do mesmo”, não antevêem nada de bom para o PSD, nem para o Governo que carece de competente contraditório e muito menos para os cidadãos e,ou o País.

As suas proposta não são revolucionárias. Ninguém esperava isso. Mas também não são reformadoras. Isso era legitimo esperarmos todos.

Vamos continuar a esperar, para ver...oxalá nos enganemos!

domingo, 11 de abril de 2010

MANIFESTO ANTI-DANTAS E POR EXTENSO

por José de Almada-Negreiros
POETA D'ORPHEU FUTURISTA e TUDO

BASTA PUM BASTA!

UMA GERAÇÃO, QUE CONSENTE DEIXAR-SE REPRESENTAR POR UM DANTAS É UMA GERAÇÃO QUE NUNCA O FOI! É UM COIO D'INDIGENTES, D'INDIGNOS E DE CEGOS! É UMA RÊSMA DE CHARLATÃES E DE VENDIDOS, E SÓ PODE PARIR ABAIXO DE ZERO!
ABAIXO A GERAÇÃO!

MORRA O DANTAS, MORRA! PIM!

UMA GERAÇÃO COM UM DANTAS A CAVALO É UM BURRO IMPOTENTE!
UMA GERAÇÃO COM UM DANTAS À PROA É UMA CANÔA UNI SECO!
O DANTAS É UM CIGANO!

O DANTAS É MEIO CIGANO!

O DANTAS SABERÁ GRAMMÁTICA, SABERÁ SYNTAXE, SABERÁ MEDICINA, SABERÁ FAZER CEIAS P'RA CARDEAIS SABERÁ TUDO MENOS ESCREVER QUE É A ÚNICA COISA QUE ELLLE FAZ!

O DANTAS PESCA TANTO DE POESIA QUE ATÉ FAZ SONETOS COM LIGAS DE DUQUEZAS!
O DANTAS É UM HABILIDOSO!

O DANTAS VESTE-SE MAL!

O DANTAS USA CEROULAS DE MALHA!

O DANTAS ESPECÚLA E INÓCULA OS CONCUBINOS!

O DANTAS É DANTAS!

O DANTAS É JÚLIO!

MORRA O DANTAS, MORRA! PIM!

O DANTAS FEZ UMA SORÔR MARIANNA QUE TANTO O PODIA SER COMO A SORÔR IGNEZ OU A IGNEZ DE CASTRO, OU A LEONOR TELLES, OU O MESTRE D'AVIZ, OU A DONA CONSTANÇA, OU A NAU CATHRINETA, OU A MARIA RAPAZ!

E O DANTAS TEVE CLÁQUE! E O DANTAS TEVE PALMAS! E O DANTAS AGRADECEU!
O DANTAS É UM CIGANÃO!

NÃO É PRECISO IR P'RÓ ROCIO P'RA SE SER UM PANTOMINEIRO, BASTA SER-SE PANTOMINEIRO!

NÃO É PRECISO DISFARÇAR-SE P'RA SE SER SALTEADOR, BASTA ESCREVER COMO DANTAS! BASTA NÃO TER ESCRÚPULOS NEM MORAES, NEM ARTÍSTICOS, NEM HUMANOS! BASTA ANDAR CO'AS MODAS, CO'AS POLÍTICAS E CO'AS OPINIÕES! BASTA USAR O TAL SORRISINHO, BASTA SER MUITO DELICADO E USAR CÔCO E OLHOS MEIGOS! BASTA SER JUDAS! BASTA SER DANTAS!

MORRA O DANTAS, MORRA! PIM!

O DANTAS NASCEU PARA PROVAR QUE, NEM TODOS OS QUE ESCREVEM SABEM ESCREVER!

O DANTAS É UM AUTOMATO QUE DEITA PR'A FÓRA O QUE A GENTE JÁ SABE QUE VAE SAHIR... MAS É PRECISO DEITAR DINHEIRO!

O DANTAS É UM SONETO D'ELLE-PRÓPRIO!

O DANTAS EM GÉNIO NUNCA CHEGA A PÓLVORA SECCA E EM TALENTO É PIM-PAM-PUM!

O DANTAS NÚ É HORROROSO!

O DANTAS CHEIRA MAL DA BOCA!

MORRA O DANTAS, MORRA! PIM!

O DANTAS É O ESCARNEO DA CONSCIÊNCIA!

SE O DANTAS É PORTUGUEZ EU QUERO SER HESPANHOL!

O DANTAS É A VERGONHA DA INTELLECTUALIDADE PORTUGUEZA! O DANTAS É A META DA DECADÊNCIA MENTAL!

E AINDA HÁ QUEM NÃO CÓRE QUANDO DIZ ADMIRAR O DANTAS!

E AINDA HÁ QUEM LHE ESTENDA A MÃO!

E QUEM LHE LAVE A ROUPA!

E QUEM TENHA DÓ DO DANTAS!

E AINDA HÁ QUEM DUVIDE DE QUE O DANTAS NÃO VALE NADA, E QUE NÃO SABE NADA, E QUE NEM É INTELLIGENTE NEM DECENTE, NEM ZERO!

VOCÊS NÃO SABEM QUEM É A SOROR MARIANNA DO DANTAS? EU VOU-LHES CONTAR:
A PRINCÍPIO, POR CARTAZES, ENTREVISTAS E OUTRAS PREPARAÇÕES COM AS QUAES NADA TEMOS QUE VÊR, PENSEI TRATAR-SE DE SORÔR MARIANNA ALCOFORADO A PSEUDO AUCTORA D'AQUELLAS CARTAS FRANCEZAS QUE DOIS ILLUSTRES SENHORES D'ESTA TERRA NÃO DESCANÇARAM ENQUANTO NÃO ESTRAGARAM P'RA PORTUGUEZ, QUANDO SUBIU O PANNO TAMBÉM NÃO FUI CAPAZ DE DISTINGUIR PORQUE ERA NOITE MUITO ESCURA E SÓ DEPOIS DE MEIO ACTO É QUE DESCOBRI QUE ERA DE MADRUGADA PORQUE O BISPO DE BEJA DISSE QUE TINHA ESTADO À ESPERA DO NASCER DO SOL!

A MARIANNA VEM DESCENDO UMA ESCADA ESTREITÍSSIMA MAS NÃO VEM SÓ. TRAZ TAMBÉM O CHAMILLY QUE EU NÃO CHEGUEI A VER, OUVINDO APENAS UMA VOZ MUITO CONHECIDA AQUI NA BRAZILEIRA DO CHIADO. POUCO DEPOIS O BISPO DE BEJA É QUE ME DISSE QUE ELLE TRAZIA CALÇÕES VERMELHOS. A MARIANNA E O CHAMILLY ESTÃO SÒZINHOS EM SCENA, E ÀS ESCURAS DANDO A ENTENDER PERFEITAMENTE QUE FIZERAM INDECÊNCIAS NO QUARTO. DEPOIS O CHAMILLY, COMPLETAMENTE SATISFEITO DESPEDE-SE E SALTA P'LA JANELLA COM GRANDE MAGUA DA FREIRA LACRIMOSA. E ANDA HOJE OS TURISTES TEEM OCCASIÃO DE OBSERVAR AS GRADES ARROMBADAS DA JANELLA DO QUINTO ANDAR DO CONVENTO DA CONCEIÇÃO DE BEJA NA RUA DO TOURO, POR ONDE SE DIZ QUE FUGIU O CÉLEBRE CAPITÃO DE CAVALOS EM PARIS E DENTISTA EM LISBOA.

A MARIANNA QUE É HISTÉRICA COMEÇA DE CHORAR DESATINADAMENTE NOS BRAÇOS DA SUA CONFDENTE E EXCELLENTE PAU DE CABELEIRA SORÔR IGNEZ.

VEEM DESCENDO P'LA DITA ESTREITÍSSIMA ESCALA (sic), VARIAS MARIANNAS TODAS EGUAES E DE CANDEIAS ACESAS, MENOS UMA QUE USA ÓCULOS E BENGALLA E AINDA (sic) TODA CURVADA P'RÁ FRENTE O QUE QUER DIZER QUE É ABBADESSA.

E SERIA ATÉ UMA EXCELENTE PERSONIFICAÇÃO DAS BRUXAS DE GOYA SE QUANDO FALLASSE NÃO TIVESSE AQUELLA VOZ TÃO FRESCA E MAVIOSA DA TIA FELICIDADE DA VIZINHA DO LADO, E REPARANDO NOS DOIS VULTOS INTERROGA ESPAÇADAMENTE COM CADÊNCIA, AUSTERIDADE E IMMENSA FALTA DE CORDA...

QUEM ESTÁ AHI?... E DE CANDEIAS APAGADAS?

- FOI O VENTO, DIZEM AS POBRES INNOCENTES VARADAS DE TERROR... E A ABADESSA QUE SÓ É VELHA NOS ÓCULOS, NA BENGALA E EM ANDAR CURVADA P'RÁ FRENTE MANDA TOCAR A SINETA QUE É UM DÓ D'ALMA O OUVI-LA ASSIM TÃO DEBILITADA, VÃO TODAS P'RÓ CÔRO, MAS EIS QUE, DE REPENTE BATEM NO PORTÃO E SEM SE ANNUNCIAR NEM LIMPAR-SE DA POEIRA, SOBE A ESCADA E ENTRA P'LO SALÃO UM BISPO DE BEJA QUE QUANDO ERA NOVO FEZ BRÉGEIRICES CO'A MENINA DO CHOCOLATE.

AGORA COMPLETAMENTE EMENDADO REVELA À ABBADESSA QUE SABE POR CARTAS QUE HÁ HOMENS QUE VÃO ÀS MULHERES DO CONVENTO E QUE AINDA HÁ POUCO VIRA UM DE CAVALLOS A SALTAR P'LA JANELLA. A ABADESSA DIZ QUE EFFECTIVAMENTE JÁ HÁ TEMPOS QUE VINHA DANDO P'LA FALTA DE GALLINHAS E TÃO INNOCENTINHA, COITADA, QUE N'AQUELLES OITENTA ANNOS AINDA NÃO TEVE TEMPO P'RA DESCOBRIR A RAZÃO DA HUMANIDADE ESTAR DIVIDIDA EM HOMENS E MULHERES.

DEPOIS DE SÉRIOS EMBARAÇOS DO BISPO É QUE ELLA DEU COM O ATREVIMENTO E MANDOU CHAMAR AS DUAS FREIRAS DE HÁ POUCO CO'AS CANDEIAS APAGADAS.

N'ESTA ALTURA ESTA PEÇA POLICIAL TOMA UM PEDAÇO D'INTERESSE PORQUE O BISPO ORA PARECE UM POLÍCIA DE INVESTIGAÇÃO DISFARÇADO EM BISPO, ORA UM BISPO COM A FALTA DE DELICADEZA DE UM POLÍCIA D'INVESTIGAÇÃO, E TÃO PERSPICAZ QUE DESCOBRE EM MENOS DE MEIO MINUTO O QUE O PÚBLICO JÁ ESTÁ FARTO DE SABER - QUE A MARIANNA DORMIU CO'O NOEL. O PEOR É QUE A MARIANNA FOI À SERRA CO'AS INDISCREÇÕES DO BISPO E DESATA A BERRAR, A BERRAR COMO QUEM SE ESTAVA MARIMBANDO P'RA TUDO AQUILLO. ESTEVE MESMO MUITO PERTO DE SE ESTRElAR COM UM PAR DE MURROS NA CORÔA DO BISPO NO QUE (SE) MOSTROU DE UM ATREVIMENTO, DE UMA INSOLÊNCIA E DE UMA DECISÃO REFILONA QUE EXCEDEU TODAS AS EXPECTATIVAS.

OUVE-SE UMA CORNETA A TOCAR UMA MARCHA DE CLARINS E MARIANNA SENTINDO NAS PATAS DOS CAVALLOS TODA A ALMA DO SEU PREFERIDO FOI QUAL PARDALITO ENGAIOLADO A CORRER ATÉ ÀS GRADES DA JANELLA A GRITAR DESALMADAMENTE P'LO SEU NOEL. GRITA, ASSOBIA E REDOPIA E PIA E RASGA-SE E MAGÓA-SE E CAE DE COSTAS COM UM ACCIDENTE, DO QUE JÁ PREVIAMENTE TINHA AVISADO O PÚBLICO E O PANNO TAMBÉM CAE E O ESPECTADOR TAMBÉM CAE DA PACIÊNCIA ABAIXO E DESATA N'UMA DESTAS PATEADAS TÃO ENORMES E TÃO MONUMENTAES QUE TODOS OS JORNAES DE LISBOA NO DIA SEGUINTE FORAM UNÂNIMES N'AQUELLE ÊXITO TEATRAL DO DANTAS.

A ÚNICA CONSOLAÇÃO QUE OS ESPECTADORES DECENTES TIVERAM FOI A CERTEZA DE QUE AQUILLO NÃO ERA A SORÔR ALCOFORADO MAS SIM UMA MERDARIANNA ALDANTASCUFURADO QUE TINHA CHELIQUES E EXAGEROS SEXUAES.

CONTINUE O SENHOR DANTAS A ESCREVER ASSIM QUE HÁ-DE GANHAR MUITO CO'O ALCUFURADO E HÁ-DE VER, QUE AINDA APANHA UMA ESTÁTUA DE PRATA POR UM OURIVES DO PORTO, E UMA EXPOSIÇÃO DAS MAQUETES P'RÓ SEU MONUMENTO ERECTO POR SUBSCRIÇAO NACIONAL DO SÉCULO A FAVOR DOS FERIDOS DA GUERRA, E A PRAÇA DE CAMÕES MUDADA EM PRAÇA DO DR. JULIO DANTAS, E COM FESTAS DA CIDADE P'LOS ANNIVERSÁRIOS, E SABONETES EM CONTA «JULIO DANTAS» E PASTAS DANTAS P'RÓS DENTES, E GRAXA DANTAS P'RÁS BOTAS, E NIVEINA DANTAS, E COMPRIMIDOS DANTAS E AUTOCLISMOS
DANTAS E DANTAS, DANTAS, DANTAS, DANTAS... E LIMONADAS DANTAS - MAGNESIA.
E FIQUE SABENDO O DANTAS QUE SE UM DIA HOUVER JUSTIÇA EM PORTUGAL TODO O MUNDO SABERÁ QUE O AUTOR DOS LUZÍADAS É O DANTAS QUE N'UM RASGO MEMORÁVEL DE MODÉSTIA SÓ CONSENTIU A GLÓRIA DO SEU PSEUDÓNIMO CAMÕES.
E FIQUE SABENDO O DANTAS QUE SE TODOS FÔSSEM COMO EU, HAVERIA TAES MUNIÇÕES DE MANGUITOS QUE LEVARIAM DOIS SÉCULOS A GASTAR.

MAS JUYGAES QUE N'ISTO SE RESUME A LITTERATURA PORTUGUEZA? NÃÓ! MIL VEZES NÃO!

TEMOS, ALÉM D'ISTO O CHIANCA QUE JÁ FEZ RIMAS P'RA ALUBARROTA QUE DEIXOU DE SER A DERROTA DOS CASTELHANOS P'RA SER A DERROTA DO CHIANCA.

E AS PINOQUICES DE VASCO MENDONÇA ALVES PASSADAS NO TEMPO DA AVÔSINHA! E AS INFELICIDADES DE RAMADA CURTO! E O TALENTO INSÓLITO DE URBANO RODRIGUES! E AS GAITADAS DO BRUN! E AS TRADUCÇÕES SÓ P'RA HOMEM (D) O ILLUSTRÍSSIMO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MELLO BARRETO! E O FREI MATTA NUNES MÔXO! E A IGNEZ SYPHILITICA DO FAUSTINO! E AS IMBECILIDADES DO SOUSA COSTA! E MAIS PEDANTICES DO DANTAS! E ALBERTO SOUSA, O DANTAS DO DESENHO! E OS JORNALISTAS DO SECULO E DA CAPITAL E DO NOTICIAS E DO PAIZ E DO DIA E DA NAÇÃO E DA REPUBUCA E DA LUCTA E DE TODOS, TODOS OS JORNAES! E OS ACTORES DE TODOS OS THEATROS! E TODOS OS PINTORES DAS BELLAS ARTES E TODOS OS ARTISTAS DE PORTUGAL QUE EU NÃO GOSTO. E OS DA AGUIA DO PORTO E OS PALERMAS DE COIMBRA! E A ESTUPIDEZ DO OLDEMIRO CESAR E O DOUTOR JOSÉ DE FIGUEIREDO AMANTE DO MUSEU E AH OH OS SOUSA PINTO HU HI E OS BURROS DE CACILHAS E OS MENÚS DO ALFREDO GUISADO! E (O) RACHITICO ALBINO FORJAZ SAMPAIO, CRITICO DA LUCTA A QUEM O FIALHO COM IMMENSA PIADA INTRUJOU DE QUE TINHA TALENTO! E TODOS OS QUE SÃO POLITICOS E ARTISTAS! E AS EXPOSIÇÕES ANNUAES DAS BELLAS ARTE(S)! E TODAS AS MAQUETAS DO MARQUEZ DE POMBAL! E AS DE CAMÕES EM PARIS! E OS VAZ, OS ESTRELLA, OS LACERDA, OS LUCENA, OS ROSA, OS COSTA, OS ALMEIDA, OS CAMACHO, OS CUNHA, OS CARNEIRO, OS BARROS, OS SILVA, OS GOMES, OS VELHOS, OS IDIOTAS, OS ARRANJISTAS, OS IMPOTENTES, OS SCELERADOS, OS VENDIDOS, OS IMBECIS, OS PÁRIAS, OS ASCETAS, OS LOPES, OS PEIXOTOS, OS MOTTA, OS GODINHO, OS TEIXEIRA, OS DIABO QUE OS LEVE, OS CONSTANTINO, OS GRAVE, OS MANTUA, OS BAHIA, OS MENDONÇA, OS BRAZÃO, OS MATTOS, OS ALVES, OS ALBUQUERQUE, OS SOUSAS E TODOS OS DANTAS QUE HOUVER POR AHI!!!!!!

E AS CONVICÇÕES URGENTES DO HOMEM CHRISTO PAE E AS CONVICÇÕES CATITAS DO HOMEM CHRISTO FILHO!

E OS CONCERTOS DO BLANCH! E AS ESTATUAS AO LEME, AO EÇA E AO DESPERTAR E A TUDO! E TUDO O QUE SEJA ARTE EM PORTUGAL! E TUDO! TUDO POR CAUSA DO DANTAS!

MORRA O DANTAS, MORRA! PIM!

PORTUGAL QUE COM TODOS ESTES SENHORES, CONSEGUIU A CLASSIFICAÇÃO DO PAIZ MAIS ATRAZADO DA EUROPA E DE TODO OMUNDO! O PAIZ MAIS SELVAGEM DE TODAS AS ÁFRICAS! O EXILIO DOS DEGRADADOS E DOS INDIFERENTES! A AFRICA RECLUSA DOS EUROPEUS! O ENTULHO DAS DESVANTAGENS E DOS SOBEJOS!

PORTUGAL INTEIRO HA-DE ABRIR OS OLHOS UM DIA - SE É QUE A SUA CEGUEIRA NÃO É INCURÁVEL E ENTÃO GRITARÁ COMMIGO, A MEU LADO, A NECESSIDADE QUE PORTUGAL TEM DE SER QUALQUER COISA DE ASSEIADO!

MORRA O DANTAS, MORRA! PIM!

José de Almada-Negreiros

POETA D'ORPHEU
FUTURISTA
e
TUDO

sábado, 10 de abril de 2010

Nós? Complicadas?

O tema mulher dá "pano para mangas". Uma visitante que se diz assidua pediu-nos para publicar a resposta de uma mulher a muito do que se diz sobre a mulher. Escusado será dizer que o texto é da responsabilidade de quem o subscreve.

Nós? Complicadas?

Se a gente se insinua, é atiçada;
Se fica na nossa, está dando uma de difícil;
Se aceita transar no início do relacionamento, é mulher fácil;
Se não quer ainda, está a fazer-se virgem;
Se põe limitações no namoro, é autoritária;
Se concorda com o que o namorado diz, é sem opinião;
Se batalha por estudos e profissões, é uma ambiciosa;
Se não está nem aí pra isso, é dondoca;
Se adora falar em política e economia, é feminista;
Se não se liga nesses assuntos, é desinformada;
Se corre pra matar uma barata, não é feminina;
Se corre de uma barata, é medrosa;
Se ganha menos que o homem, é pra ser sustentada;
Se ganha mais que o homem, é pra jogar na cara deles;
Se adora roupas e cosméticos, é narcisista;
Se não gosta, é desleixada;
Se sai mais cedo do trabalho, é abusadora;
Se faz hora extra, é gananciosa;
Se se chateia com alguma atitude dele, é uma mulher mimada;
Se aceita tudo o que ele faz, é submissa;
Se quer ter 4 filhos, é uma louca inconsequente;
Se só quer ter 1, é uma egoísta que não tem senso maternal;
Se gosta de rock, é uma doida;
Se gosta de música romântica, é fora-de-moda;
Se gosta de música eletrónica, é maluca;
Se usa saia curta, é vulgar;
Se usa saia comprida, é crente;
Se está branca, eles dizem pra gente apanhar uma corzinha;
Se está bem bronzeada, eles dizem que preferem as mais clarinhas;
Se faz cena de ciúme, é uma neurótica;
Se não faz, não sabe defender seu amor;
Se fala mais alto que ele, é uma descontrolada;
Se fala mais baixo, é subserviente.

E depois vem dizer que mulher é que é complicada...

Mulheres existem para serem amadas, não para serem entendidas.

Fátima Nazareth

Armação de Pêra em Revista

Visite as Grutas

Visite as Grutas
Património Natural

Algarve