O défice de participação da sociedade civil portuguesa é o primeiro responsável pelo "estado da nação". A política, economia e cultura oficiais são essencialmente caracterizadas pelos estigmas de uma classe restrita e pouco representativa das reais motivações, interesses e carências da sociedade real, e assim continuarão enquanto a sociedade civil, por omissão, o permitir. Este "sítio" pretendendo estimular a participação da sociedade civil, embora restrito no tema "Armação de Pêra", tem uma abrangência e vocação nacionais, pelo que constitui, pela sua própria natureza, uma visita aos males gerais que determinaram e determinam o nosso destino comum.

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Os Emídios Catuns que nos pregaram um calote de 6,3 mil milhões e andam à solta

Bom dia.

Desculpem, mas não há peru, rabanadas e lampreias de ovos que me façam passar o engulho da fatura que neste final do ano veio parar outra vez aos bolsos dos contribuintes por mais um banco que entrega a alma ao criador, no caso o Banif, no caso mais 3 mil milhões. É de mais, é inaceitável, é uma ignomínia para todos os que estão desempregados ou caíram no limiar da pobreza por causa desta crise e mais uma violência brutal para os que continuam a pagar impostos (e que são apenas cerca de 50% de todos os contribuintes).

Todos nos lembramos do cortejo dos cinco maiores banqueiros portugueses (Ricardo Salgado, Fernando Ulrich, Nuno Amado, Faria de Oliveira e Carlos Santos Ferreira) a irem ao Ministério das Finanças e depois à TVI exigir ao então ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, para pedir ajuda internacional. Todos nos lembramos como o santo e a senha da altura era o da insustentável dívida pública portuguesa por erros de gestão do Governo de José Sócrates. Todos nos lembramos das sucessivas reafirmações de que a banca estava sólida por parte do Banco de Portugal e do governador Carlos Costa. Todos nos lembramos dos testes de stress aos bancos conduzidos pela Autoridade Bancária Europeia – e como os bancos nacionais passaram sempre esses testes. E depois disso BPI, BCP, CGD e Banif tiveram de recorrer à linha de crédito de 12 mil milhões acordada com a troika. E depois disso o BES implodiu – e agora o Banif também. E depois disso só o BPI pagou até agora tudo o que lhe foi emprestado. E antes disso já o BPN e o BPP tinham implodido. E a Caixa vai ter de fazer um aumento de capital. E o Montepio é uma preocupação. É de mais! Chega! Basta!

No caso do Banif, é claro que o governador Carlos Costa tem enormes responsabilidades na forma como o problema acabou por ter de ser resolvido. No caso do BES foi ele também que seguiu a estratégia da resolução, da criação do Novo Banco e do falhanço total dessa estratégia – a venda rápida que não aconteceu, a venda sem despedimentos que também não vai acontecer, os 17 interessados que afinal eram só três, as propostas que não serviam, e o banco que era para ser vendido inteiro e agora vai ser vendido após uma severa cura de emagrecimento. É claro também que a ex-ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, tem responsabilidades diretas no caso, por inação ou omissão. E é claro que o ex-primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, geriu politicamente o dossiê.

Mas não confundamos os políticos e o polícia com os bandidos, com os que levaram a banca portuguesa ao tapete. E para isso nada melhor do que ler o excelente texto que o Pedro Santos Guerreiro e a Isabel Vicente escreveram na revista do Expresso da semana passada com um título no limite mas que é um grito de alma: «O diabo que nos impariu» - ou como os bancos nacionais destruíram 40 mil milhões desde 2008. Aí se prova que houve seguramente muitos problemas, mas que a origem de tudo está no verdadeiro conúbio lunar que se viveu entre a banca e algumas empresas e alguns empresários do setor da construção. Perguntam os meus colegas: «Sabe quem é Emídio Catum? É um desses empresários da construção, que estava na lista de créditos do BES com empresas que entretanto faliram. Curiosamente, Catum estava também na lista dos maiores devedores ao BPN, com empresas de construção e imobiliário que também faliram». E como atuava Catum? «O padrão é o mesmo: empresas pedem crédito, não o pagam, vão à falência, têm administradores judiciais, não pagam nem têm mais ativos para pagar, o prejuízo fica no banco, o banco é intervencionado, o prejuízo passa para o Estado». Simples, não é, caro leitor?

A pergunta que se segue é: e o tal de Catum está preso? Não, claro que não. E assim, de Catum em Catum, ficámos nós que pagamos impostos com uma enorme dívida para pagar que um dia destes vai levar o Governo a aumentar de novo os impostos ou a cortar salários ou a baixar prestações sociais. Mas se fosse só o Catum… Infelizmente, não. Até as empresas de Luís Filipe Vieira deixaram uma dívida de 17 milhões do BPN à Parvalorem, do Estado, e tinham ainda por pagar 600 milhões de crédito do BES. O ex-líder da bancada parlamentar do PSD, Duarte Lima, deixou perdas tanto no Novo Banco como no BPN. Arlindo Carvalho, ex-ministro cavaquista, também está acusado por ilícitos relacionados com crédito concedido pelo BPN para compra de terrenos. E um dos homens fortes do cavaquismo, Dias Loureiro é arguido desde 2009 por compras de empresas em Porto Rico e Marrocos, suspeita de crimes fiscais e burlas. Mas seis anos depois, o Ministério Público ainda não acusou Dias Loureiro, nem o processo foi arquivado.

Dos 50 maiores devedores do BES, que acumulavam um crédito total de dez mil milhões de euros, «o peso de construtores e promotores imobiliários é avassalador». No BPN, «mais de 500 clientes com dívidas iguais ou superiores a meio milhão de euros deixaram de pagar». E a fatura a vir parar sempre aos bolsos dos mesmos. Por isso, o artigo de Pedro Santos Guerreiro e Isabel Vicente é imperdível. Para ao menos sabermos que o que aconteceu não foi por acaso. Que muita gente não pagou o que devia ou meteu dinheiro ao bolso – e esperou calmamente que o Estado viesse socializar os prejuízos enquanto eles privatizaram os lucros.

POR Nicolau Santos

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

domingo, 27 de dezembro de 2015

Em Armação aprendeu-se a lição!


Longe vão os dias em que o Casino caminhava a passos largos para uma verdadeira lixeira.
Por iniciativa conjunta deste blog e de um extenso "abaixo-assinado" de amigos do Casino, foi o mesmo justamente considerado PATRIMÓNIO MUNICIPAL(Imóvel declarado de interesse municipal).

Longe vão os dias em que o imóvel se encontrava patentemente abandonado servindo para pichagens múltiplas e de gosto duvidoso, para colagens de posters-anúncios de corridas de touros apoiadas pela junta de freguesia e câmara municipal.

Hoje, sem que tenha deixado de merecer um tratamento muito mais adequado (o que é possível e desejável), já foi destinatário de uma pintura que permite concluir que a Junta ou a Câmara ou ambas, olham o imóvel com outros olhos e aprenderam a lição, com os meios disponiveis que não serão muitos.

Hoje, é também portador de uma mensagem de evidente pedagogia, que o dignifica e protege:"O Património é de todos. Ajude a preservá-lo!"

Bem hajam os novos dirigentes autárquicos que evidenciam deste modo uma outra sensibilidade para esta parte do que de relevante lhes incumbe zelar!

Bem haja ainda mais um futuro para o Casino à altura do melhor do seu passado!


quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Mergulho pela solidariedade em Armação de Pêra nos dias de Natal e Ano Novo


Nos dias de Natal e Ano Novo, pelas 11:00 horas da manhã, o hotel Holiday Inn Algarve vai promover dois mergulhos de solidariedade na praia de Armação de Pêra, no concelho de Silves.

Estes mergulhos solidários cheios de diversão fazem parte de uma campanha de solidariedade que pretende angariar dinheiro para ajudar crianças carenciadas.

Os interessados devem trazer o fato de banho e toalha, entrando na água para um mergulho ou, para os menos aventureiros, apenas para molhar os pés.

A seguir, pode recuperar no bar do Holiday Inn Algarve, que oferece a todos uma bebida para aquecer.

A organização pede aos participantes para levarem o seu donativo, ajudando a angariar dinheiro para duas instituições locais: Espaço Amigo, em Armação de Pêra, e A Gaivota, em Albufeira.

sábado, 12 de dezembro de 2015

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Armação de Pêra em Revista

Visite as Grutas

Visite as Grutas
Património Natural

Algarve