O défice de participação da sociedade civil portuguesa é o primeiro responsável pelo "estado da nação". A política, economia e cultura oficiais são essencialmente caracterizadas pelos estigmas de uma classe restrita e pouco representativa das reais motivações, interesses e carências da sociedade real, e assim continuarão enquanto a sociedade civil, por omissão, o permitir. Este "sítio" pretendendo estimular a participação da sociedade civil, embora restrito no tema "Armação de Pêra", tem uma abrangência e vocação nacionais, pelo que constitui, pela sua própria natureza, uma visita aos males gerais que determinaram e determinam o nosso destino comum.

quarta-feira, 30 de abril de 2014

O país que vivia "vida de rico" por José Pacheco Pereira, in jornal: Público de 29/03/2014


Falando num debate corporativo, Vítor Bento, economista, conselheiro de Estado, disse, no mesmo dia em que novos dados sobre a gravidade do empobrecimento dos portugueses vieram a público, que "o país empobreceu menos do que parece. O país já era pobre, vivia era com vida de rico" (…). "Criávamos a aparência de ser mais ricos".

Deixo de barato a questão do sujeito da frase, esse perverso "nós", que nos iguala a todos diante do professor com a palmatória na mão, mas volto-me para o que, nesta tese, é revelador dos discursos situacionistas dos nossos dias. Para além do desprezo e da nonchalance de falar assim do "empobrecimento" dos outros, e que tem entranhada uma condenação moralista dos maus hábitos dos portugueses, estes homens virtuosos como Vítor Bento dizem-nos coisas reveladoras. Uma é que, no actual empobrecimento, há duas razões: uma conjuntural – "teve de se ajustar a despesa para o rendimento que existe e, no processo, o rendimento caiu" –, que foi uma maçada ter acontecido; e a outra estrutural – "o resto é empobrecimento aparente, porque a riqueza também era aparente", ou seja, outra maneira de dizer que "vivíamos acima das nossas posses", que é um programa económico, social, político e… moral.

Num momento em que o conjunto de explicações simplistas e reducionistas à volta do "ajustamento" mostra os primeiros sinais de estar a perder força na sua circulação no espaço público, ele torna-se ao mesmo tempo mais defensivo e mais agressivo. Eu não menosprezo o seu sucesso mediático e a sua interiorização nas pessoas comuns, que foi e é maior do que os seus contraditores desejariam, muitas vezes como culpa, mas hoje pode-se ver como elas conduziram a um impasse quer no pensamento quer na acção. Ao passarem do imediato, da resposta quase pavloviana à bancarrota de Sócrates, para o mais longo prazo do pós-troika, elas revelaram enormes fragilidades a todos os níveis, do económico ao político.

Voltemos às teses de Vítor Bento. Elas começam por nos falar do passado e percebe-se que não é o passado imediato da actual crise. Se fossem apenas os desvarios de Sócrates, dificilmente se encontraria justificação para ir mais longe do que corrigi-los. Não, eles precisam de algo mais de fundo, para poderem fazer a revolução dos maus costumes portugueses. A coisa já vem de trás, mas desde quando? Desde quando é que os portugueses foram "ricos"? Quantos portugueses fizeram, como ele diz, "vida de rico"? Quando é que se viveu uma "riqueza que era aparente"? Em 2005, quando Sócrates começou a cortar o défice, com um aplauso hoje esquecido? Em 2004, no rápido reino de Santana Lopes quando anunciou ao Frankfurter Allgemeine que vinha aí a "retoma", o "fim da crise", a "economia a recuperar", "todos os sinais são bons" e "nova baixa de impostos"? Em 2002, quando estávamos de "tanga" e ou era ou estradas ou criancinhas? Nos anos de Guterres, onde se distribuiu o bodo (como aliás com Sócrates) aos mesmos empresários e banqueiros que louvaram esses governos com a mesma intensidade com que louvam o actual? No tempo de Cavaco Silva e dos milhões que chegavam todos os dias? Ou desde o 25 de Abril, em que se perdeu o respeito pelo ouro das caves do Banco de Portugal? Estamos a falar de Portugal?

Mas de que "riqueza" é que estamos a falar? Não é a dos ricos da Forbes. Eu sei o que é a "vida de rico" a que ele se refere, quer àquela que serve para ilustrar o moralismo do discurso, quer àquela que verdadeiramente o preocupa. Para agitar a bandeira moral, servem algumas patetices avulsas: as férias a Acapulco, os divãs da Conforama, os plasmas para ver jogos de futebol, os jipes do FEOIGA (atenção que aqui já se está a entrar por outro caminho perigoso, não vá a CAP protestar), comprar um molho numa loja gourmet para épater les bourgeois do emprego ou a bourgeoise, gastar dinheiro insensato nos centros comerciais, alguma capacidade de consumo lúdico a que pela primeira vez muitos portugueses tiveram acesso e que mostraram a marca do novo-riquismo e da silly season. Ele não se refere a isso, mas a "vida de rico" incluí também comprar o Expresso aos sábados, ter televisão por cabo, ser sócio do Benfica e ir aos jogos, ir ao restaurante de vez em quando, comer marisco, comprar livros do José Rodrigues dos Santos, ter expectativas europeias, de ser como os franceses que se vêem nos filmes, ter um carro, mandar os filhos à universidade e ser parte da muito escassa opinião pública.

terça-feira, 29 de abril de 2014

A lógica da Batata reinventada:Recuar até aos anos quarenta do século passado...

Resposta à crise: Reinventar a lógica da batata!


Dadas as circunstâncias e enquanto não reimprimimos a sebenta de "Economia Doméstica" do Prof. Salazar, cuja utilidade deverá fazer emergir das cinzas para nos socorrer, nos tempos que correm, servimos hoje algumas dicas para atravessar esta crise, reduzindo o consumo ao minimo, quando não abaixo do essencial (para mal desta pobre economia e de quase todos os que a compõem)

Retirar papos nos olhos
Esta é talvez a dica mais conhecida das batatas. Para quem costuma acordar com os olhos
inchados e com alguns papos, aplique uma rodela de batata crua sobre cada um dos olhos e
repouse durante alguns minutos. Parece mentira mas a batata vai retirar algum do inchaço
com que acordou!

Trocar uma lâmpada partida
Precisa trocar uma lâmpada que se partiu no candeeiro, sobrando apenas o casquilho?
Desligue o candeeiro, corte uma batata ao meio e pressione-a no resto da lâmpada
que sobrou. Vá rodando com cuidado e desenroscando até remover a lâmpada por completo.

Vidros sem chuva e sem embaciar
Tem o vidro do seu carro a embaciar ou os limpa pára-brisas avariaram? Corte uma rodela
de batata e esfregue-a sobre o vidro. Quase por magia, o vidro não irá embaciar nem as
gotas da chuva vão aderir ao vidro! Pode dar jeito algum dia, nunca se sabe!

Limpe talheres de prata(se ainda os não empenhou)
Não tem um limpa-pratas em casa e gostava de dar um toque especial às suas pratas?
Pegue em algumas batatas e coza-as normalmente. Reserve as batatas para alguma refeição
E coloque os objetos de prata dentro da água onde foram cozidas as batatas. Deixe repousar
durante uma hora. Lave-os de seguida e verá a diferença nas suas pratas!

Faça carimbos para si ou para as crianças
Porque não usar uma simples batata como um carimbo para envelopes de Natal ou para as
crianças brincarem? Corte uma batata ao meio no sentido da largura e vá esculpindo um
pequeno relevo na batata ou então use um pequeno molde para fazer o relevo para o carimbo.
Prepare um pouco de tinta de aguarela e use a imaginação ou divirta-se com os seus filhos.

Faça um teste aos seus filhos
Mostre aos seus filhos a força da pressão atmosférica, fazendo este pequeno teste. Pegue no
meio de uma palhinha de plástico e tente espetá-la numa batata. A palhinha dobra e não
consegue introduzi-la na batata. Pegue agora noutra palinha e tape o orifício de cima com
o dedo.
Vai ver que consegue introduzir a palhinha na batata sem dificuldade. Isto acontece porque o ar
Que ficou preso faz pressão contra as paredes da palinha, tornando-a mais dura. Quanto mais
Introduz a palinha na batata, menos espaço existe para o ar e mais dura esta se torna.
Interessante não é?

Tirar o sal de um cozinhado
Sem querer colocou sal a mais na sopa ou em algum cozinhado? Corte algumas batatas em
Rodelas grossas e com o cozinhado ainda ao lume, deite algumas na panela. Após sensivelmente
10 minutos, o tempo das batatas ficarem cozidas, retire-as e utilize-as, por exemplo, em saladas
ou noutro prato. As batatas terão absorvido o excesso de sal e poderá usá-las em qualquer outro
prato.

Plantas sem vermes
As plantas da sua casa estão com vermes nas raízes? Coloque algumas rodelas de batata crua à
volta da planta afetada para atrair os vermes. Quando estes passarem para a batata, retire-as
e coloque-as no lixo.

Arranjo floral com batata
Precisa fazer um arranjo floral mas não tem a espuma para fixar as flores? Experimente usar uma
batata grande, cortando-a ao meio, no sentido do comprimento, e coloque-a com o lado cortado
e liso para baixo, servindo de base. Faça furos na batata, nos locais onde quer colocar as
plantas e introduza-as nos respetivos buracos.

Sardinheira saudável
Uma batata crua, fornece todos os nutrientes que esta bonita planta necessita. Faça um furo
numa batata e coloque o caule da sardinheira dentro. De seguida, plante-a juntamente com
a batata, garantindo um crescimento muito mais saudável.

Limpeza das mãos
Uma das melhores formas de limpar as mãos e a pele de manchas de cenoura e abóbora, depois
de ter feito um creme destas verduras, é esfregar as mãos numa batata durante alguns segundos.
Veja a facilidade com que as mãos ficam limpas!

Compressas quentes ou frias
A batata tem a capacidade de conservar bem a temperatura, sendo ideal para o frio e para o calor.
Se necessitar de uma compressa quente, coza a batata e embrulhe-a numa toalha, aplicando sobre
a área afetada. Se precisar de uma compressa fria, coloque a batata cozida no frigorífico durante
algumas horas, aplicando no local afetado da mesma forma.

Recupere sapatos velhos
Tem uns sapatos com um aspeto velho e gasto? Antes de os deitar fora, experimente cortar uma
batata ao meio e esfregá-la por todo o sapato. De seguida, engraxe-os muito bem e vai ver que
ficarão com uma nova cara!

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Sexo nunca a menos de um euro por minuto

Expressão financeira de uma vida inteira de sexo, na optica do movimento.
Postamos este artigo publicado In correio da manhã 28/4/2014 visando complementar a informação ínsita no "Dossier Prostituição" que iniciámos há tempo.


Na defesa do reconhecimento das profissões de teor sexual as prostitutas, atores de filmes pornográficos e funcionários de call centers eróticos irão abrir chapéus de chuva vermelhos na Praça dos Leões, no Porto, e na rua Nova do Carvalho, no Cais do Sodré, em Lisboa.

Alexandra Lourenço do movimento ‘Somos Todos Um' disse ao CM que "a iniciativa visa juntar o máximo de trabalhadores no sentido de levar a sociedade a adotar medidas que criem condições laborais dignas". Membro do Comité Internacional sobre os Direitos dos Trabalhadores Sexuais na Europa, Alexandra Lourenço estima em "cem mil, os trabalhadores sexuais em Portugal".

"Como todos os outros trabalhadores somos seres humanos, temos de ter direitos e garantias nas atividades de teor sexual. Queremos fazer descontos para a Segurança Social, pagar e ter benefícios fiscais.
Queremos ter obrigações e exigimos respeito", sustentou Alexandra Lourenço, conhecida por Madame X. A dirigente associativa admite que há prostituição ligada a redes de tráfico e exploração de seres humanos.

Mas, acrescenta que a maior parte das prostitutas, nomeadamente o seu caso, não são vítimas dessas redes. Alexandra Lourenço adianta que com a regulamentação destas profissões haverá maior proteção por existir um enquadramento legal.

A profissionalização da prostituição levaría à criação de uma tabela de preços dos serviços. Segundo explicou Alexandra Lourenço essa é uma questão já discutida. "Sexo nunca a menos de um euro por minuto.

Defendemos só sexo oral e vaginal, mas sempre com preservativo." Com a crise muitas mulheres foram para a prostituição sem o mínimo de preparação e sem quaisquer conhecimentos sobre o trabalho que é vender o corpo.

Alexandra Lourenço defende que é necessária formação. "As mulheres têm de saber o que é andar na rua. Ter conhecimentos para se saberem proteger", disse. Interrogada sobre se ainda há um longo caminho a percorrer até à profissionalização das profissões ligadas ao sexo, Alexandra Lourenço pensa que não: "A sociedade está mais que preparada para mudar de um dia para o outro e adotar legislação."

Ler mais em: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/sociedade/sexo-nunca-a-menos-de-um-euro-por-minuto

sexta-feira, 25 de abril de 2014

A "tesón" espanhola é, muitas vezes, retemperadora! No dia 25 de Abril de 2014, neste estado de coisas, um exemplo destes ganha ainda mais "élan"!

-->
 Publicado hoje no blogue francês abaixo identificado, um artigo de opinião acerca de uma decisão do governo espanhol face à intenção de um grupo economico estrangeiro de adquirir o dominio de uma empresa produtora de azeite, lider de mercado.
"O governo espanhol desmotivou investidores estrangeiros que pretendiam assumir o controle da maior produtora de azeite, Deoleo, sob o pretexto de que se trata de um sector estratégico."


Made in Spain
Mis en ligne le 25.04.2014 à 13:14
Guy Sorman

Le gouvernement espagnol a dissuadé des investisseurs étrangers de prendre le contrôle du premier producteur d’huile d’olive, Deoleo, sous le prétexte qu’il s’agirait d’une entreprise stratégique autant que symbolique. Est-ce vraiment un combat qui mérite d’être livré à l’heure où toute économie est mondiale? Il me semble plutôt que dans cette affaire, on se trompe d’enjeu. Reprenons donc tout depuis le début.

Le destin économique des nations se joue sur le marché mondial. Adam Smith - La richesse des nations - avait pressenti cela dès 1776: il constatait que les nations qui n'avaient rien à vendre de distinct se condamnaient à rester pauvres. Deux siècles ont passé avant que cette leçon de base pour économiste débutant ne soit universellement adoptée. Au temps d'Adam Smith, on échangeait des oranges tropicales contre des cotonnades de Manchester. En notre temps, au nom de la loi dite des avantages comparatifs, on échange plutôt de la main-d'œuvre à bas prix contre de la technologie avancée. Mais cette interprétation classique de l'échange me semble trop matérialiste, trop réductrice pour représenter toute la mondialisation contemporaine: sur le marché s'échangent des produits, mais aussi des rêves. Un rêve en économie se traduit dans une marque: il est des marques qui séduisent (L'Oréal, Apple) et d'autres qui rassurent (Boeing, Mercedes). On pourrait indexer la prospérité des nations sur leur nombre de marques reconnues: chacun, s'il consomme, sait citer vingt marques américaines, dix allemandes, cinq françaises et zéro russe ou indienne.

Les pays aussi sont des marques: un amateur de luxe automobile se portera spontanément vers le Made in Germany, vers le Made in France pour la mode, le Made in Japan pour l'esthétique, le Made in USA pour l'avance technique, le Made in Switzerland pour les montres. Les produits et services issus de ces pays à marque forte, bénéficient de ce que j'appelle une "valeur culturelle ajoutée": le consommateur mondial est prêt à les payer très au-dessus de leur prix de revient parce qu'il acquiert, en sus du produit et du service, une part de rêve. Certaines nations qui n'eurent jamais de connotation significative, telle la Corée du Sud, longtemps, ne s'imposèrent que grâce à leurs prix cassés (ce fut à l'origine le cas du Japon et cela reste celui de la Chine). Mais une marque nationale peut être créée et promue: la Corée du Sud y parvient par un marketing habile (inspiré initialement par le Japon) qui associe les institutions culturelles, le soutien gouvernemental à la culture et les grandes entreprises privées. Celui qui, il y a dix ans, achetait un téléphone Samsung parce qu'il était bon marché, le paye plus cher aujourd'hui - en partie - parce qu'il est coréen. À l'instar de la Corée du Sud, on pourrait citer le Chili: la marque nationale associant rêve et qualité y a été délibérément construite. Il existe aussi des cas de marques dormantes. L'Espagne est un cas exemplaire: sortie de l'autarcie il y a peu - 1986, entrée dans l'Union européenne - tout le monde situe l'Espagne, mais Made in Spain évoque des images surannées de flamenco, de tauromachie et de vacances bon marché. Cette faible valeur ajoutée culturelle - hormis le tourisme - pèse sur la croissance. Nul consommateur ne sait, par exemple, que l'Espagne est en quantité le premier producteur d'huile d'olive, de vin, de sacs à main et de souliers de qualité: à peu près tous ces produits sont exportés vers des pays tiers comme la France, l'Italie et les États-Unis qui les revendent sous leur propre marque. L'amateur européen ou américain, et chinois demain, d'huile d'olive ou de vins fins serait étonné de lire sur l'étiquette de cette huile ou de ce vin, la mention Made in Spain. Et il n'y attacherait aucun prix. On comprendra que la marge bénéficiaire la plus substantielle, avec les richesses et emplois qu'elle induit, va aux marchands de rêves plus qu'aux fabricants de la matière première. Ce n'est pas le producteur de l'olive qui en profite le plus mais celui qui y appose sa marque.

Grâce à ses exportations qui représentent maintenant 34% de la production nationale contre 24% en 2009, l'Espagne a retrouvé la croissance (rappelons qu'en dehors des pages du journal ABC, peu de commentateurs envisageaient en 2009 cette sortie de crise par des méthodes libérales). Mais la valeur culturelle ajoutée de ces exportations reste faible: combien de marques espagnoles, un consommateur mondial citerait-il? Certainement, Zara inventée par l'entreprise Inditex; la banque Santander peut-être.
Les stratèges en charge des économies nationales devraient emprunter à la géopolitique les notions de "soft power" et de "hard power". Par comparaison avec ses grands voisins européens, l'Espagne a, ces dernières années, renforcé son "hard power" (un meilleur contrôle des coûts de production en particulier), mais son "soft power" n'a pas fait l'objet d'une grande politique. L'Espagne offre pourtant un exemple fameux de création de "soft power » ex nihilo: le musée Guggenheim à Bilbao. Imaginons un geste de portée équivalente à l'échelle nationale: il conduirait tout consommateur d'huile d'olive à exiger la marque Made in Spain. Et pas seulement pour les olives.

http://www.hebdo.ch/les-blogs/sorman-guy-le-futur-cest-tout-de-suite/made-spain

terça-feira, 22 de abril de 2014

Poema de Passos Coelho

Poema de Passos Coelho

Chamo-me Passos Coelho
Cortador de profissão
Corto ao jovem, corto ao velho,
Corto salário e pensão
Corto subsídios, reformas
Corto na Saúde e na Educação
Corto regras, leis e normas
E cago na Constituição
Corto ao escorreito e ao torto
Fecho Repartições, Tribunais
Corto bem-estar e conforto,
Corto aos filhos, corto aos pais
Corto ao público e ao privado
Aos independentes e liberais
Mas é aos agentes do Estado
Que gosto de cortar mais
Corto regalias, corto segurança
Corto direitos conquistados
Corto expectativas, esperança
Dias Santos e feriados
Corto ao polícia, ao bombeiro
Ao professor, ao soldado
Corto ao médico, ao enfermeiro
Corto ao desempregado
No corte sou viciado
A cortar sou campeão
Mas na gordura do Estado
Descansem, não corto, não.
Eu corto
a Bem da Nação



(anónimo)

segunda-feira, 21 de abril de 2014

sexta-feira, 18 de abril de 2014

Quem não quer ser lobo(a) não lhe vista a pele....

"Ir à Assembleia comemorar o quê, 40 anos depois?
Ter um fóssil como presidente da República; Uma tonta como presidente da Assembleia da República; Um barítono amador como presidente do governo da República; Um lusito da Mocidade Portuguesa como presidente da Comissão Europeia; Uma senhora do Movimento Nacional Feminino como presidente da caridade e das sopas dos pobres; Um soba movido a cachaça como presidente do governo da Madeira; Um homem invisível como presidente do BPN, a maior cloaca financeira da Europa; Um relojoeiro adamado como presidente da comissão de restauração da independência contra a troika; Um cervejeiro como presidente da televisão pública; Um funcionário do BES como presidente da comissão dos negócios do Estado; Um compère de revista de cabaret manhoso como presidente da Cultura?
Não, obrigado!"
Coronel Carlos de Matos Gomes, Capitão de Abril e escritor português de pseudónimo Carlos Vale Ferraz, natural de Vila Nova da Barquinha.

quinta-feira, 17 de abril de 2014

O problema, de facto, é seu Dona Esteves! Porque não ajustar-se também?

Chegou ao nosso conhecimento um texto, anónimo, que merece divulgação. Aqui está ele:

Os meios de comunicação social, quando a si se referem, costumam usar a expressão “segunda figura do Estado”. E percorrendo os atinentes artigos da Constituição, parece que é isso mesmo que a senhora é. Pois é.

A Portugal e aos portugueses daria algum jeito se, já que têm a primeira figura que têm, tivessem uma segunda figura que soubesse imprimir ao seu cargo um pouco de dignidade. E a senhora não sabe.Digamos que é o seu “inconseguimento”, mas é mesmo isso https://www.youtube.com/watch?v=sx_k3bSzCTo ..

Dir-se-ia que a senhora não consegue (inconsegue) “projectar para a Assembleia e para o país o seu softpower sagrado”, e, seja lá isso o que for, é uma pena.Não sei se a senhora sabe que, nessa cadeira onde se senta, ou pelo menos no local onde ela está, se sentaram homens como Henrique de Barros, Vasco da Gama Fernandes, Leonardo Ribeiro de Almeida, Fernando Amaral, para falar apenas destes. Que a senhora herdou a cadeira de Jaime Gama, não de Albino dos Reis.

A Senhora Esteves, disse ontem que, se os militares de Abril queriam falar (na sessão solene que em breve vai assinalar os 40 anos da Revolução), e não falam, o problema é deles.

Não, senhora Esteves, o problema não é deles, é seu!
Vou explicar-lhe uma coisa.

O Vasco Lourenço que a senhora desconsiderou não é apenas um Vasco de apelido Lourenço. O Vasco Lourenço que a senhora desconsiderou é um homem que fez a guerra e fez a Paz. O Vasco Lourenço que a senhora desconsiderou é um dos operários da Liberdade em que queremos viver e da Democracia que lhe permite a si, mulher, ser a segunda figura do Estado.

Sei que isso pouco lhe importa, que não teria pejo em ser o que tem sido e ocupar os cargos que tem ocupado se o regime fosse aquele que o Vasco ajudou a derrubar.

Duvido é que, sem a obra do Vasco e de outros corajosos militares, esse tal regime a tivesse deixado ser, a si mulher, juiza do Tribunal Constitucional, eurodeputada, lusodeputada e agora segunda figura do Estado.

O Vasco Lourenço que a senhora desconsiderou é presidente da Associação 25 de Abril. Que essa associação congrega militares e também civis que fizeram Abril, que gostam de Abril, que gostam da Liberdade que Abril trouxe ao nosso país. Que por lá andam também Garcia dos Santos, Martins Guerreiro, Soares Rodrigues e outros tantos Homens de ideais. Que tem como associados de honra Fernando Salgueiro Maia, Ernesto Melo Antunes, Fernando Valle, Sarmento Pimentel e, uma mulher. Sabia? Chama-se Maria de Lurdes Pintasilgo.
E até um Homem cuja vida foi um século de combates e que chegou a liderar o seu partido, senhora Esteves.

O Vasco Lourenço que a senhora desconsiderou fez a guerra, fez a Paz, com outros cujos nomes talvez nada lhe digam, corrigiu-lhe o rumo na altura em que tal foi necessário.

Falo de Franco Charais, de Pezarat Correia, do Ernesto Melo Antunes.Sabe que entre todos eles e a senhora Esteves há uma diferença abissal? E é esta: Eles serviram o Estado e o Povo português, a senhora sempre viveu a expensas do Estado e do Povo português. Nunca fez mais nada.

A senhora Esteves acumula pensões; eles, tal como eu próprio, acumulam cortes nas pensões. Isto para não falar do Salgueiro Maia, a quem o seu mentor ideológico, cavaco de seu nome, negou uma pensão ao mesmo tempo que as atribuia a dois pides, talvez os que lhe tinham prometido emprego.

Não foi o Vasco que a senhora Esteves ofendeu. Ofendeu todos os Portugueses que amam Abril, que amam a Liberdade e a Democracia.
Alguns estão até no seu partido, embora sejam cada vez menos.

O problema, de facto é seu, senhora Esteves!

Nesta época de ajustamentos, talvez não fosse despiciendo – pelo menos enquanto tiver o papel de primeira figura da assembleia da República – ajustar-se à história do pais que é o seu e porque não também à comunidade portuguesa de que é a segunda figura representativa?

Ontem foi o dia grande do seu inconseguimento.Passar bem.




domingo, 13 de abril de 2014

Grande Prémio de Romance e Novela da APE (Alexandra Lucas Coelho). Tudo fica mais claro...

Com pedido de publicação recebemos o texto que se segue:
 
"O que vem escrito abaixo é de leitura obrigatória uma vez espelha bem o que se passa no Portugal de hoje, dirigido (?) por uma cáfila de meninos, comandados a partir de Belém por um Sr. que acabou com quase tudo o que de produtivo Portugal tinha, que beneficiou da batota provocada por aqueles que, hoje em liberdade, nos obrigam a pagar os seus roubos, e que, paulatinamente mas sem decoro, nos vão subtraindo aquilo que nós, com o nosso trabalho, conseguimos amealhar ao longo de uma vida...

Tudo isto vem a propósito do prémio atribuído a Alexandra Lucas Coelho pela Associação Portuguesa de Escritores (APE), na sala 2 da Fundação Gulbenkian, em 7 de Abril, onde em representação do presidente da República esteve presente o Secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier.

Alexandra Lucas Coelho
Não há gravações do que se passou durante a entrega do Grande Prémio de Romance e Novela da APE, na sala 2 da Fundação Gulbenkian, a 7 de Abril. Havia jornalistas presentes mas não em trabalho, a tomar notas. Por isso não há forma de citar ipsis verbis o que disse o Secretário de Estado da Cultura (SEC), Jorge Barreto Xavier. Mas há algumas dezenas de testemunhas que podem acrescentar ou corrigir o que vou tentar resumir agora aqui, por tudo se ter passado numa cerimónia pública.

 Sendo este prémio tradicionalmente entregue pelo Presidente da República, decidiu o actual presidente, Cavaco Silva, à semelhança de anos anteriores, fazer-se representar. Neste caso, pelo seu Consultor para Assuntos Culturais, Diogo Pires Aurélio. Isto era o que eu sabia quando escrevi o discurso para a ocasião.

 Já no átrio da Gulbenkian, perto da hora marcada, 18h, a APE comunicou-me que a cerimónia estava um pouco atrasada porque esperavam o Secretário de Estado da Cultura.

Quando Barreto Xavier chegou e entrámos todos para a sala, o protocolo sentou-o ao centro da mesa, junto a Diogo Pires Aurélio. Nas pontas, Gulbenkian (representada por Rui Vieira Nery), APE (José Manuel Mendes, José Correia Tavares), júri (representado por Isabel Cristina Rodrigues) e eu. Vieira Nery abriu, sucintamente; seguiram-se discursos da APE; Isabel Cristina Rodrigues leu o texto em que o júri justifica a atribuição do prémio a "E a Noite Roda". Diogo Pires Aurélio e eu levantámo-nos para que ele me entregasse o sobrescrito do prémio, um minuto de formalidade, sem palavras, para a fotografia. Chegou a minha vez de discursar, li as páginas que trazia. No fim, houve uma ovação de pé. Digo isto para dar conta da atmosfera que os representantes do poder político tinham diante de si.

A APE convidou então o SEC a intervir. Ele escolheu falar sentado, sem se deslocar ao púlpito. Uma das coisas que disse, na parte, digamos, cultural da intervenção, foi que eu bem podia declarar que não fazia ficção porque claro que fazia ficção porque é isso que um escritor faz, ficção. Foi o primeiro arroubo dirigista, que nos devia ter preparado para o que aí vinha.

Na parte, digamos, política, destaco quatro coisas: o SEC disse que eu devia estar grata por estarmos em democracia e eu poder dizer o que dissera; que durante anos os portugueses se tinham endividado acima das suas possibilidades; que, ao contrário do que eu dissera, ninguém saíra de Portugal por incentivo deste governo; e, sobretudo, que eu tinha dito que não devia nada a este governo mas que isso não era verdade porque este governo também subsidiava o prémio.

Referia-se ele, assim, a um prémio com décadas de existência; atribuído a alguns dos mais extraordinários escritores de língua portuguesa; cujo montante em dinheiro resulta de vários patrocínios, sendo que os públicos resultam do dinheiro dos contribuintes; e que tem atravessado os mais variados governos, sem que nunca, que me recorde, algum governante o tenha tentado instrumentalizar. Foi a mais escancarada confusão de Estado com Governo que já presenciei, para além do tom chantagista ao nível de jardim de infância das ditaduras. E, apesar dos apupos, de quem lhe gritava da plateia "Mentira!" e "O Estado somos nós!", o SEC insistia.

Como cabe ao Presidente da República, ou seu representante, encerrar a cerimónia, a APE instou Diogo Pires Aurélio a falar. O representante do Presidente da República declinou e encerrou a sessão. No fim, cumprimentou cordatamente todos os presentes na mesa e retirou-se.

Já Barreto Xavier, aproximou-se de mim na confusão da retirada. Julguei que se vinha despedir, depois de dizer o que tinha a dizer. Nada disso. Queria dizer-me, visivelmente irritado, que o que eu fizera tinha sido de um grande "primarismo". Respondi-lhe que então devia ter dito isso mesmo ao microfone, que eu já dissera o que tinha a dizer e não lhe ia dizer mais nada. Fui andando, para contornar a mesa e acabar com a cena, mas o SEC insistia: que eu tinha sido “primária”.

O Público pediu-me o discurso para publicar online na tarde do dia 8. Quatro horas depois, 89 mil pessoas tinham lido o texto. Ontem, o post no FB do "Público" tinha sido visto por 170 mil. Obrigada a todos pela partilha.

O que disse então a escritora Alexandra Lucas Coelho :


O meu país não é do orgulhosamente só. Não sei o que seja amar a pátria. Sei que amar Portugal é voltar do mundo e descer ao Alentejo, com o prazer de poder estar ali porque se quer. Amar Portugal é estar em Portugal porque se quer. Poder estar em Portugal apesar de o Governo nos mandar embora. Contrariar quem nos manda embora como se fosse senhor da casa. Eu gostava de dizer ao actual Presidente da República, aqui representado hoje, que este país não é seu, nem do Governo do seu partido. É do arquitecto Álvaro Siza, do cientista Sobrinho Simões, do ensaísta Eugénio Lisboa, de todas as vozes que me foram chegando, ao longo destes anos no Brasil, dando conta do pesadelo que o Governo de Portugal se tornou: Siza dizendo que há a sensação de viver de novo em ditadura, Sobrinho Simões dizendo que este Governo rebentou com tudo o que fora construído na investigação, Eugénio Lisboa, aos 82 anos, falando da “total anestesia das antenas sociais ou simplesmente humanas, que caracterizam aqueles grandes políticos e estadistas que a História não confina a míseras notas de pé de página”.

Este país é dos bolseiros da FCT que viram tudo interrompido; dos milhões de desempregados ou trabalhadores precários; dos novos emigrantes que vi chegarem ao Brasil, a mais bem formada geração de sempre, para darem tudo a outro país; dos muitos leitores que me foram escrevendo nestes três anos e meio de Brasil a perguntar que conselhos podia eu dar ao filho, à filha, ao amigo, que pensavam emigrar. Eu estava no Brasil, para onde ninguém me tinha mandado, quando um membro do seu Governo disse aquela coisa escandalosa, pois que os professores emigrassem. Ir para o mundo por nossa vontade é tão essencial como não ir para o mundo porque não temos alternativa. Este país é de todos esses, os que partem porque querem, os que partem porque aqui se sentem a morrer, e levam um país melhor com eles, forte, bonito, inventivo. Conheci-os, estão lá no Rio de Janeiro, a fazerem mais pela imagem de Portugal, mais pela relação Portugal-Brasil do que qualquer discurso oco dos políticos que neste momento nos governam. Contra o cliché do português, o português do inho e do ito, o Portugal do apoucamento. Estão lá, revirando a história do avesso, contra todo o mal que ela deixou, desde a colonização, da escravatura.
Este país é do Changuito, que em 2008 fundou uma livraria de poesia em Lisboa, e depois a levou para o Rio de Janeiro sem qualquer ajuda pública, e acartou 7000 livros, uma tonelada, para um 11.º andar, que era o que dava para pagar de aluguer, e depois os acartou de volta para casa, por tudo ter ficado demasiado caro. Este país é dele, que nunca se sentaria na mesma sala que o actual Presidente da República.
E é de quem faz arte apesar do mercado, de quem luta para que haja cinema, de quem não cruzou os braços quando o Governo no poder estava a acabar com o cinema em Portugal. Eu ouvi realizadores e produtores portugueses numa conferência de imprensa no Festival do Rio de Janeiro contarem aos jornalistas presentes como 2012 ia ser o ano sem cinema em Portugal. Eu fui vendo, à distância, autores, escritores, artistas sem dinheiro para pagarem dívidas à Segurança Social, luz, água, renda de casa. E tanta gente esquecida. E, ainda assim, de cada vez que eu chegava, Lisboa parecia-me pujante, as pessoas juntavam-se, inventavam, aos altos e baixos.
Não devo nada ao Governo português no poder. Mas devo muito aos poetas, aos agricultores, ao Rui Horta, que levou o mundo para Montemor-o-Novo, à Bárbara Bulhosa, que fez a editora em que todos nós, seus autores, queremos estar, em cumplicidade e entrega, num mercado cada vez mais hostil, com margens canibais.
Os actuais governantes podem achar que o trabalho deles não é ouvir isto, mas o trabalho deles não é outro se não ouvir isto. Foi para ouvir isto, o que as pessoas têm a dizer, que foram eleitos, embora não por mim. Cargo público não é prémio, é compromisso. Portugal talvez não viva 100 anos, talvez o planeta não viva 100 anos, tudo corre para acabar, sabemos. Mas enquanto isso estamos vivos, não somos sobreviventes.
Este romance também é sobre Gaza. Quando me falam no terrorismo palestiniano confundindo tudo, Al-Qaeda e Resistência pela nossa casa, pela terra dos nossos antepassados, pelo direito a estarmos vivos, eu pergunto o que faria se tivesse filhos e vivesse em 40km por seis a dez de largura, e antes de mim os meus antecedentes, e depois mim os meus filhos, sem fim à vista. Partilhei com os meus amigos em Gaza bombardeamentos, faltas de água, de luz, de provisões, os pesadelos das meninas à noite. Depois de eu partir a vida deles continuou. E continua enquanto aqui estamos. Mais um dia roubado à morte."

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Farto de Coelho?


Os publicitários (não) são uns exagerados!
Eles sabem habitualmente sobre o que o público quer, do que o público está farto, sobre o que sugerir ao público, sugestionando o consumo do produto que poderá satisfazer as necessidades de quem lhes paga para isso. Não é que às vezes acertam completamente!

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Constitucional "chumba" imposto de selo sobre casas de "luxo". Não vale tudo!


In jornal de notícias

O presidente da Associação Nacional de Proprietários informou, esta quarta-feira, que o Tribunal Constitucional considerou que a Autoridade Tributária "viola os princípios da legalidade e da igualdade fiscal" na aplicação do denominado imposto sobre edifícios de luxo.

Numa conferência de imprensa, em Lisboa, António Frias Marques revelou ter tomado conhecimento recentemente do acórdão, datado de 25 de março, do Tribunal Constitucional, que confirma uma anterior decisão do Tribunal Arbitral.

O responsável da Associação Nacional de Proprietários (ANP) admitiu que agora as Finanças apresentem recurso judicial, enquanto os proprietários reafirmam a necessidade de revogar a aplicação do imposto de selo e admitem recorrer a instâncias europeias.

Em causa está a aplicação da tabela geral do imposto de selo, ao aplicar uma taxa de 1% sobre o Valor Patrimonial Tributário (VPT) a edifícios avaliados acima de um milhão de euros e cuja falta de liquidação resulta em penhora de bens.

Porém, lembrou António Frias Marques as definições aplicadas fazem com que "imóveis em propriedade total fossem divididos nas respetivas unidades locatícias autónomas [casas] e pagam IMI [Imposto Municipal sobre Imóveis] separadamente, unidade a unidade".

Por isso, ao ser considerada cada unidade, um edifico de cinco andares no centro de Lisboa ou do Porto "chega facilmente ao milhão de euros fiscal".

"Foi com espanto que os proprietários de edifícios em propriedade total receberam as notificações para pagar o imposto do selo, fazendo-se notar que, corroborando que essas notificações são feitas fogo a fogo, todos com um valor muito inferior a um milhão de euros, cifra que, obviamente, só se obtém adicionando as várias notificações", justificou.

Na conferência de imprensa, o responsável voltou a criticar o aumento da carga fiscal sobre os proprietários, assim como a aplicação da taxa liberatória de 28% no IRS, que "só será genericamente benéfica para quem aufira de um rendimento coletável superior a 40 mil euros", e protestou contra a não generalização da possibilidade de indexar o pagamento do IMI ao valor das rendas cobrado e não ao Valor Patrimonial Fiscal.

A 3 de fevereiro, o presidente da Confederação Portuguesa dos Proprietários tinha já afirmado à Lusa que o pagamento de IMI com base nos valores de renda cobrados iniciou-se em 2012, mas que apenas 10% dos senhorios terá apresentado o requerimento.

Para voltar a beneficiar desta situação, os senhorios tiveram de apresentar novo requerimento até ao passado dia 31 de janeiro.


Armação de Pêra em Revista

Visite as Grutas

Visite as Grutas
Património Natural

Algarve