O défice de participação da sociedade civil portuguesa é o primeiro responsável pelo "estado da nação". A política, economia e cultura oficiais são essencialmente caracterizadas pelos estigmas de uma classe restrita e pouco representativa das reais motivações, interesses e carências da sociedade real, e assim continuarão enquanto a sociedade civil, por omissão, o permitir. Este "sítio" pretendendo estimular a participação da sociedade civil, embora restrito no tema "Armação de Pêra", tem uma abrangência e vocação nacionais, pelo que constitui, pela sua própria natureza, uma visita aos males gerais que determinaram e determinam o nosso destino comum.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Este ano a “silly season”, no Algarve, não vai ser o que foi nos anos “dourados” do dinheiro a rodos



Ainda há pouco tempo, por esta altura, meados de Julho, uma parte dos portugueses iniciava o ritual de Verão - uma espécie de "encerrado para férias". A "classe política" e adjacentes preparavam-se para ir a banhos, cada ministro ou dirigente partidário informava a comunicação social se ia para a praia da Coelha, dos Tomates ou da Manta Rota, onde aguardava ansiosamente que um jornalista o "apanhasse" em calções de banho. Aí, já bronzeados, davam entrevistas, falavam descontraidamente sobre os seus "hábitos de férias" ou da "importância do descanso com a família" e, alguns, não perdihttp://www.blogger.com/img/blank.gifam a oportunidade de aparecer naquelas festas manhosas frequentadas por "empresários" e "gente famosa" - o nosso "jet set" pelintra. O Parlamento encerrava portas por mais de dois meses, enquanto os gabinetes ministeriais apenas asseguravam os "serviços mínimos". Era assim a bitola do país, e ninguém lhes levava a mal a despreocupação e a ligeireza, e muitas vezes, porque não dizê--lo, a pirosice, até porque uma "classe média" em ascensão, essa, com ordenado certo e as prestações em dia, a quem os bancos batiam à porta com crédito para tudo e para nada, com conversa de amigos – não se preocupe, só paga quando puder -, para além do Algarve, enchia os voos fretados para o Brasil, República Dominicana, Cuba, Cancun ou, para os mais ousados, para a Tailândia. Outros hábitos estavam enraizados, como por exemplo, fazer "contas à vida" e comprar uma casa de férias ou um carro novo, com o mesmo à vontade com que, há três ou quatro gerações atrás, se ia comprar caramelos a Badajoz ou a Ayamonte.

Sem comentários:

Armação de Pêra em Revista

Visite as Grutas

Visite as Grutas
Património Natural

Algarve