O défice de participação da sociedade civil portuguesa é o primeiro responsável pelo "estado da nação". A política, economia e cultura oficiais são essencialmente caracterizadas pelos estigmas de uma classe restrita e pouco representativa das reais motivações, interesses e carências da sociedade real, e assim continuarão enquanto a sociedade civil, por omissão, o permitir. Este "sítio" pretendendo estimular a participação da sociedade civil, embora restrito no tema "Armação de Pêra", tem uma abrangência e vocação nacionais, pelo que constitui, pela sua própria natureza, uma visita aos males gerais que determinaram e determinam o nosso destino comum.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

O cidadão resiliente



In:DN
06 DE SETEMBRO DE 2017

Por:Viriato Soromenho Marques

Se existisse um prémio internacional de ética pública, ele seria, certamente, outorgado hoje ao professor Adriano Moreira (AM), pela passagem do seu 95.º aniversário. Dificilmente se encontrará um outro cidadão que desde 1944, ano em que terminou a sua licenciatura em Direito, até hoje continue a deixar múltiplas marcas de ação, pensamento crítico e exemplo lúcido da sua presença no mundo partilhado por todos (para o leitor da edição impressa do DN basta olhar para a página seguinte, para encontrar na sua coluna de opinião a prova material da minha afirmação).

O que sempre admirei em AM é a sua capacidade de quebrar os binómios de ferro em que a melhor tradição intelectual do Ocidente tende a aprisionar a experiência política. A contradição abissal entre teoria e prática, objeto de uma célebre controvérsia entre Kant e Burke. A oposição entre ética da responsabilidade e ética da convicção, traçada por um Max Weber, ele próprio tolhido no torvelinho de tensões contraditórias que o faziam ter paixão pela política e, ao mesmo tempo, resistir ao canto de sereia das suas "forças diabólicas".

A clássica dilaceração, identificada por Maquiavel no coração do príncipe, entre as leis humanas e as pulsões brutais mais elementares (metaforizadas na força do leão e na astúcia da raposa). Ao longo de mais de sete décadas de vida pública, AM tem enfrentado e superado (no sentido hegeliano de negação, assimilação e ultrapassagem dos obstáculos) todos os desafios, vitórias e derrotas que a vida tem colocado no seu caminho.

Para os leitores mais jovens, recomendaria a leitura do capítulo que lhe é dedicado na derradeira obra de Manuel Lucena (Os Lugares-Tenentes de Salazar, Lisboa, Aletheia, 2015, pp. 261-371), onde a sua peculiar estatura de estadista, que pretende efetivamente aproximar a realidade e a justiça, fica patente nos anos decisivos de 1960-62, num contexto de guerra e desorientação interna, tentando, mesmo contra Salazar e os setores mais cristalizados do Estado Novo, evitar, ou ao menos atenuar, o trágico capítulo português no grande crepúsculo do Euromundo.

Cada ser humano tem o seu segredo interior (que até o próprio desconhece), mas atrevo-me a considerar que uma parte da laboriosa, mas serena, resiliência de AM se fica a dever a uma espécie de software comportamental, que permanece inalterável ao longo do tempo, nos seus três tópicos fundamentais.

Primeiro, nunca desistir do conhecimento na avaliação do mundo - com o imenso trabalho de estudo e investigação que ele implica - mas sem nunca cair na arrogância científica e intelectual, que é uma das formas mais modernas de ideologia, usada como desculpa para subestimar, excluir e reprimir as vozes dos que pensam de modo diferente. Segundo, acreditar sempre que o melhor se atinge preferencialmente pelas estradas do possível, envolvendo voluntariamente na viagem também os que dela duvidam, do que abraçando a retórica das promessas utópicas, que cedo se transformam em terror e violência. Terceiro, nunca abdicar dos princípios fundamentais, pois são eles que não só mantêm intacta a integridade e a identidade do agente (a sua alma política e ética), mas são também eles que temperam e limitam o que deve e pode, ou não, ser realizado pela ação.

Para AM esses princípios básicos são os da igualdade e os da cooperação universal do género humano. Ao mesmo tempo um ponto de partida e uma tarefa sempre à espera de ser cumprida, como as duras promessas do nosso presente-futuro bem o comprovam.


Sem comentários:

Armação de Pêra em Revista

Visite as Grutas

Visite as Grutas
Património Natural

Algarve