O défice de participação da sociedade civil portuguesa é o primeiro responsável pelo "estado da nação". A política, economia e cultura oficiais são essencialmente caracterizadas pelos estigmas de uma classe restrita e pouco representativa das reais motivações, interesses e carências da sociedade real, e assim continuarão enquanto a sociedade civil, por omissão, o permitir. Este "sítio" pretendendo estimular a participação da sociedade civil, embora restrito no tema "Armação de Pêra", tem uma abrangência e vocação nacionais, pelo que constitui, pela sua própria natureza, uma visita aos males gerais que determinaram e determinam o nosso destino comum.

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Os ajustes directos revistos e actualizados para YESMAN ver...

ou a saga dos descamisados na ponta da espada dos Barbarossa deste concelho




O erudito Captain Barbosso fez um comentário ao ultimo post, levantando a questão do manifesto erro constante da ultima frase do texto, quanto a ajustes directos. De facto o milhão de euros de limite anual para um fornecedor é exclusivo das empreitadas. No fornecimento e aquisição de bens e serviços que um tractor constituiria, o limite efectivamente é de € 206.000,00, contrariamente ao que o snr. Captain Barbosso pretende ensinar.

Não somos juristas, como parece ser o Captain Barbossa, sendo por conseguinte possível o erro quando navegamos por águas, para nós, turvas..., no entanto, como sabemos ler ainda nos podemos dar ao luxo de corrigir alguns aprendizes de feiticeiro.

Porém, adeptos solidários com os Cantinflas da história, lamentamos que o Captain, provavelmente “marinheiro de água doce” tenha posto a tónica na sua erudição jurídica, de duvidosa actualidade, desprezando o essencial que é o teor politico do assunto, o qual, provavelmente fere a sua Dama.

Teor politico este que consistiu em evidenciar o verdadeiro DESERTO POLITICO em que o poder concelhio se move, absolutamente alheio ao essencial dos seus atributos e competências, perdido pelos corredores do poderzinho dos tiranetes.

Talvez não saiba que a proposta aquisição de um tractor consistia num dispêndio de €11.000,00, já que se sugeriu a compra de um tractor, para não destoar, usado, desde que existisse a retoma do existente.

O problema principal, contrariamente ao que o esclarecido Captain pensa, antes de ser de dinheiro é de atitude.

Na verdade a senhora Presidente da Câmara de Silves não imprime moeda, mas também não se reduz à condicção de tesoureira!

Espera-se mais de uma cidadã eleita pelo povo com a incumbência de administrar uma autarquia, melhor: exige-se mais de uma cidadã que se propôs a administrar uma autarquia!

Do que se sabe de antemão, mas nunca se deve esperar é que tal cidadã ou cidadão se candidate para se pavonear, beneficiar de um estatuto de respeitabilidade que não se preocupa em justificar, usufruir de benesses à conta do erário público, cultivar ódios locais de estimação e almejar, acima de tudo um novo patamar na escala da carreira politica, tratando a autarquia como local de passagem, sendo certo que também aqui se deverá enganar pois mais certo é ser esta a estação do fim da linha que percorre.

Sempre sem uma ideia politica e pior que isso, com uma permanente indisponibilidade para intervir quando o seu contributo poderia ser facilitador, ser proactiva quando se trata de questões efectivamente relevantes do concelho, independentemente da sua dimensão e não quando meramente mediáticas, diletantes ou abjectamente insignificantes politicamente falando.

A falta de dinheiro, independentemente de avaliarmos a sua origem, o que já constitui uma concessão enorme, não justifica a omissão, a incorrecção e o desprezo pelas
reais razões, para curar das quais com dedicação e competência, foi eleita!

Os desvalores que promoveu a valores e pautaram a sua gestão serão o que relevará no epitáfio da sua campa politica.

10 comentários:

Anónimo disse...

Muito bem. Trocar um trator usado que deve valer 50 000 € por outro usado de qualidade inferior pagando em cima 11 000 €? Hão-de-me dizer onde estão os fundos comunitários que paguem isto. Se esta proposta fosse da tal cidadã política não estranhava, agora de alguém que tem mostrado outra inteligência e cultura é uma desilusão.

Anónimo disse...

Não, caro anónimo, a troca era a custo zero para ambas as partes, câmara e pescadores.
Quanto ao valor do trator que estava na praia,já tem sete anos, e foi uma escolha errada para o meio em que foi colocado.
Vale 50 mil, não sei...

Anónimo disse...

Com a meia dúzia de pescadores a sério que existem em Armação, expliquem lá como é que um investimento num tractor é pago?
Quanto paga um pescador para que o tractor coloque ou tire a embarcação do mar?
Acham que os impostos que os pescadores pagam, que não é nenhum, dá para pagar alguma coisa?
Vão para a América ter com o vosso padrinho e fiquem por lá sossegadas.

Anónimo disse...

Ai estão os bois no seu melhor, ou bestas, talvez seja mais adequado.
Quando se esgotam os argumentos, situação que não é difícil de atingir, emerge a verdadeira natureza das criaturas, simples bestas!

Captain Barbossa disse...

É impressionante como o Captain Barbossa, catalogado de yesman e rotulado de el analfabeto, consegue marcar a agenda do blog cidadania!!! Afinal de contas, o burro do Captain Barbossa até tinha razão no que disse... tanto assim é que a intelligentzia do blog cidadania lá reconheceu, a contragosto, a asneira que disse no post anterior... mas o mais grave de tudo isto foi terem sentido a necessidade de recorrer ao insulto gratuito para atirar mais postas de pescada para o ar!!! Ao pretender dar uma lição de direito público ao pobre diabo do Captain Barbossa, um leigo nestas matérias, a intelligentzia do blog cidadania incorre em mais um erro, por sinal, bastante crasso... é que no que respeita à aquisição de bens móveis por parte de autarquias locais só pode haver recurso ao ajuste directo para contratos de valor inferior a 75 mil euros... o tal limite dos 206 mil euros aplica-se apenas num regime especial de escolha do ajuste directo quando esteja em causa a aquisição de bens móveis nos domínios do parque escolar e da melhoria da eficiência energética de edifícios públicos... pelo que é caso para perguntar às mentes iluminadas do blog cidadania se, para efeitos da aquisição do tal tractor, confundiram o parque escolar de armação de pêra com a praia dos pescadores!!! Temos pena, mas não conseguiram corrigir um vulgar marinheiro de água doce, que até não se importava nada de ser jurista... Se os responsáveis do blog tivessem sabido ler o meu comentário anterior, facilmente teriam percebido que fui tão critico para com eles, como com quem lidera o concelho de Silves... contudo, preferiram atacar às escuras um simplório cidadão, conotando-o com determinada troupe partidária, quando este apenas quis transmitir informação válida aos visitantes do blog, para que percebessem melhor o que está em causa, mas, pelos vistos, isso não agradou a quem, afinal de contas, prefere incendiar os ânimos da malta, nem que seja com recurso a informações falsas!!! É certo que não percebo nada de política, mas sei que o nosso País está à beira da falência por causa dos brilhantes políticos que, ao longo de 38 anos de democracia, tem gerido os dinheiros públicos, e também sei que se existem leis é para serem cumpridas ou respeitadas sempre e não apenas quando dá jeito! Um conselho de amigo, pois embora me tenham faltado ao respeito, não vos quero mal: validem as vossas fontes, antes de atirar bitaites para o ar, caso contrário, facilmente serão postos em causa e descredibilizados na vossa luta!!! Ah, e não me vou pronunciar sobre a questão da troca de tractores (que por sinal desconhecia, já que não foi mencionada no post anterior), pois estou certo que essa questão já deve ter sido admiravelmente apreciada do ponto de vista jurídico por V.as Ex.as…

Anónimo disse...

As leis de facto existem, deveriam ser iguais para todos, mas este simples facto para a C.M.Silves é um pequeno detalhe que só deve ser levado em conta em casos muito específicos.
No caso da área reservada aos pescadores, se prestar atenção, constatará com facilidade que, há bem pouco tempo, houveram alterações na zona em que todas as leis foram violadas e lá segue a banda das bestas como se tudo fosse normal.
Este post está muito bom, descreve na perfeição a IS, que já não é nada, nem ela nem os palermas que lhe serviram de pilar e a puseram lá.
Agora, já a rainha vai nua.

Black Beard disse...

Gostei dos comentários do Captain Barbossa... bastava associar o nome à personagem dos Piratas das Caraíbas, para perceber que o individuo é um pirata na verdadeira acepção da palavra!!! Só mesmo quem anda mto distraído, e fala do que não sabe, confundiria um pirata com um boy...

Anónimo disse...

Esse boy é muito paracido com o certinho e direitinho, perdeu a fala em pouco tempo, este também.

André Massena disse...

Que chatice páh... o sacana do Captain Barbossa engatou umas frases e disse um conjunto de verdades, mas como estas não agradam nem a gregos, nem a troianos, teve de ser vilipendiado por uns quantos iluminados, que por mandarem uns bitaites para o ar, julgam-se os senhores da razão!!! Não admira que é a mesma pessoa que comanda os destinos do concelho há quase 16 anos!!! Com pessoal desta estirpe, é canja, e depois desculpam-se com a ignorância do povo... Pensei que o blog cidadania apelava à participação da sociedade civil portuguesa, nomeadamente a do concelho de Silves, mas pelos vistos só podem intervir, sem correr o risco de ser enxovalhados, os que se ajoelhem ao teor dos posts aqui publicados, os que aceitem como verdades indiscutíveis tudo o que neles é dito, bem ou mal, certo ou errado!!! Tratar como boy ou analfabeto um tipo que limitou-se a desmascarar e corrigir um chorrilho de alarvidades, só demonstra que o autor deste post não pode ser uma pessoa séria e intelectualmente honesta, pois se o fosse devia ter-se retratado, ao invés de postar videos atrás de vídeos, para tapar o sol com a peneira...

Baby Come Back disse...

os cães ladram e a caravana passa...

Armação de Pêra em Revista

Visite as Grutas

Visite as Grutas
Património Natural

Algarve