O défice de participação da sociedade civil portuguesa é o primeiro responsável pelo "estado da nação". A política, economia e cultura oficiais são essencialmente caracterizadas pelos estigmas de uma classe restrita e pouco representativa das reais motivações, interesses e carências da sociedade real, e assim continuarão enquanto a sociedade civil, por omissão, o permitir. Este "sítio" pretendendo estimular a participação da sociedade civil, embora restrito no tema "Armação de Pêra", tem uma abrangência e vocação nacionais, pelo que constitui, pela sua própria natureza, uma visita aos males gerais que determinaram e determinam o nosso destino comum.

quarta-feira, 6 de junho de 2012

CASINO:Imóvel de Interesse Municipal em resultado de uma acção EXEMPLAR!

“Por proposta dos Autarcas Socialistas, a Câmara deliberou na passada Segunda atribuir o interesse Municipal ao edifício designado por “Casino de Armação de Pêra” e remeter o dossier para a Assembleia Municipal.


Quero aqui reconhecer a longa e decisiva batalha travada pelos Armacenenses. O empenho do Luís Ricardo na elaboração e apresentação das sucessivas propostas, abaixo assinados … notas de imprensa, idas às reuniões públicas camarárias… As brilhantes e decisivas intervenções da Ana Cristina Santos na Assembleia Municipal, na defesa intransigente deste valioso património, sendo a porta voz de todos nós. A teimosia persistente dos responsáveis do Blog da Cidadania que sempre mantiveram a chama acesa, e o seu alerta para o apetite voraz de quem apenas vê naquele espaço euros, esquecendo que ali também reside a memória de uma comunidade que importa preservar. Aqui fica o meu singelo reconhecimento. Bem hajam! Proposta que a Vereação Socialista levou à Câmara Municipal.”

Fernando Serpa, Vereador da CMSilves, in Blog: “Verador c. m. Silves”



O imóvel conhecido por “Casino de Armação de Pêra” foi finalmente declarado como IMÓVEL DE INTERESSE MUNICIPAL.


Num post de 14 de Janeiro de 2007 com o titulo “Casino de Armação de Pêra: a roleta russa”, o blog Cidadania iniciou uma intervenção pública em defesa do imóvel e da sua conservação ao serviço da economia da Vila, dentro da sua vocação inicial, tentando resgatá-lo de um destino a que já tinha sido votado de há muito: a exclusão e a acelerada degradação até ao abate.


Mantendo a chama acesa entre Janeiro de 2007 e Janeiro de 2011, nesta data demos os primeiros passos no sentido do lançamento de uma Petição Pública que conduzisse à classificação do edifício como de interesse Municipal, visando por este intermédio a sua patrimonialização e com esta uma garantia adicional para a sua conservação e futuro mais cuidado.


Em resultado dos valores em causa e da total identificação da população com a preservação e conservação do imóvel, o interesse generalizado das forças vivas da Vila e do seu primeiro subscritor Luís Ricardo foram imediatos.


Sem embargo das muitas batalhas que a Vila tem, ora em curso, ora por travar, a classificação do Casino com imóvel de interesse Municipal é justa e constitui uma vitória da vontade do povo de Armação, que, desta vez, fez por isso!


A Vereação socialista cumpriu o que da mesma se esperava, isto é, que representasse a vontade do povo de Armação. Assim acontecesse sempre (o povo com uma causa justa, pela qual pugna com empenho e dedicação; uma classe política que se assumiu efectivamente como mandatária do povo que representa)e este concelho não apresentaria, certamente, todos os inúmeros défices que exibe!


O mesmo se diga quanto a todos os restantes concelhos do Pais e, por maioria de razão, quanto ao próprio Pais!


Neste sentido, Armação de Pêra, se não por outras razões que não invocando não queremos diminuir, por virtude desta iniciativa, da participação que motivou e teve, e da boa execução do mandato político, constitui um EXEMPLO!


Nos tempos que correm não é coisa pouca!

20 comentários:

Tânia Oliveira disse...

Parabéns a todos os Armacenenses e ao Blog Cidadania, os verdadeiros protagonistas deste feito que protege o património da terra. Aos nossos politícos, é pena que só funcionem de "empurrão", muitas vezes nem assim conseguem entender o papel que lhes é devido nestes processos.

Anónimo disse...

Excelentes noticias, parabéns pelo sucesso iniciativa.

Anónimo disse...

Parece-me que ninguém entendeu o que se queria com o "Casino". Nem se deram ao trabalho de perceber o projeto de reabilitação. O "casino nunca iria funcionar novamente como casino, como é obvio. Por isso a reabilitação previa uma sala de conferências/exposições, uma biblioteca, um restaurante, uma gelataria e o Posto de Turismo. Seria concessionado o restaurante e a gelataria com a garantia de execução total das obras pelo concessionário. Com excepção do restaurante e gelataria, tudo o restante seria colocado à disposição do público em geral. A CMS, assim como as outras autarquias não tem vocação para explorar este tipo de equipamento. E agora? Continuará na situação atual por que não existem meios financeiros para o reabilitar.
Até quando? Aguardam-se donativos.

Corre Costas disse...

Não meu querido amigo, a classificação como património municipal, vem salvaguardar o edifício, a sua zona de implantação e envolvente, de presumíveis atentados e desmandos de um qualquer "empresário novo-rico" cuja a falta de escrúpulos não o incomodaria de implantar ai um mamarracho, a condizer com os que Armação de Pêra está cheia.
As atividades de promoção turística, culturais e outras que rentabilizem o edifício, são sempre bem-vindas.
Agora o negócio sem regras nem condicionantes, como a câmara pretendia fazer, esse não! estamos fartos de chico-espertismo e cimento armado! Façam-no na Fábrica do Inglês!

Anónimo disse...

Engana-se novamente.
Que o casino é património, independentemente da sua classificação, é um facto. Reafirmo que a luta promovida não impediu a sua classificação, impediu a sua reabilitação e adequada utilização. Veremos quem tem razão. Misturaram-se as vontades e desejos. Quanto à fabrica e a outros, não sei do que fala o anterior participante.

Corre Costas disse...

O pseudo-arrendatário ou comprador, se cumprir as regras de preservação estipuladas na Lei que enquadra a defesa do património municipal, poderá adquirir o edifício e fazer lá as modificações que dentro da lei, para adaptação do espaço aos seus objectivos. Só está impedido de o destruir ou transforma-lo num mamarracho. Não será necessário arranjar álibis para justificar a mistificação que era essa hipotética venda!

O interesse público disse...

O Anónimo ainda não percebeu...que fazer?
A classificação não retirou o que quer que seja ao Casino. Proibe é a possibilidade de lhe tirarem, perverterem ou adulterarem a personalidade, o enquadramento, a traça.
Quanto ao resto e independentemente da discussão pública do que lá quiserem fazer, todos as benfeitorias e vocações não ficaram prejudicadas.
O que ficou prejudicado e bastante é a acção dos malfeitores do património, os oportunistas de perna curta, numa palavra: a prostituição!

Anónimo disse...

Ó Sr. Anónimo... já lhe tentaram tirar alguma coisa sua? Gostou? Estamos fartos de ser "subtraídos2 dos nossos bens, da nossa qualidade de vida, em prol de uma Cãmara que só olha para o seu umbigo e para os seus interesses!!!! A pretensa venda do casino era mais um destes casos que foi urgente salvaguardar! Era o senhor que o ia arrendar? Se não era... guarde para si o seu " olhar" tão elucidado e deixe-nos com o que é nosso!!!

Anónimo disse...

Haveremos de ficar todos com uma profícua idade e o Casino servir para o que serve hoje, mantendo-se o seu desaproveitamento. Poderia desempenhar um papel importante na freguesia, no concelho e no Algarve como sala de qualidade para inúmeros eventos mas continuará a servir para "aquilo", incluindo dormitório ilegal.A requalificação deverá implicar investimento considerável para a qualidade que o edifício merece. Haja forma de lhe dar dignidade. Continuo a não entender a posição de que o casino é nosso, o castelo é deles, a praia é nossa, o castelo de s. jorge é dos lisboetas, a torre de belém é deles. É TUDO PÚBLICO, É TUDO NOSSO, É DE PORTUGAL. O casino também é meu e oponho-me ao seu estado e uso atual e a visões curtas.

Anónimo disse...

Concordo com o referido pelo anónimo anterior. A concessão da exploração do equipamento é a melhor solução e a que permitirá devolver a dignidade ao mesmo. A classificação do imóvel é uma falsa questão.
Aqueles que pensam na sua salvaguarda serão responsáveis pelo seu declínio. Agradeço a existência deste Blog,disponível para publicar todas as sensibilidades sobre os assuntos em discussão, sem sensura. Muito bem.

Corre Costas disse...

Mas será que sabem do que estão a falar? Desde quando o estatuto de interesse municipal impede que o imóvel seja adquirido por algum privado ou que ai possa implantar o seu negócio, desde que não colida com a dita classificação e preservação?
Não será só falar por falar? ou então desculpas de má pagador!
Deixem-se de subterfúgios e jogos de sombras, assumam as responsabilidades que dizem ter e não endossem aos armacenenses as incompetências e mentiras que continuam a propagar!!!

Bussaco disse...

Mas será que sabem do que estão a falar? isso pergunto eu!!! O Casino já foi classificado?!? Por quem?!? Bastou uma única deliberação da Câmara?!? Então só pode ser ilegal?!? Cadê a audiência dos interessados??! Cadê o parecer do recém criado Instituto que substituiu o IGESPAR!? Cadê a delimitação da zona especial de protecção?!? Cadê a informação dos serviços técnicos camarários que fundamenta o interesse municipal do edifício?!? Pobres armacenenses, sempre enganados... seja pelos que estão no poder, seja pelos que estão na oposição!!! Abram os olhos...

Corre Costas disse...

Todos esses pareceres e aprovações foram feitos em aquando da aprovação do Plano de Pormenor de Armação de Pêra. Após a aprovação da Câmara Municipal, falta a aprovação em Assembleia Municipal.

Anónimo disse...

A "guerra" em que envolveram os armacenences foi com o papão da venda, não com a classificação do imóvel. Afinal a classificação não impede a venda. Cá está como nos enganam conterrâneos. Pelo que percebi, a possível venda incluia as mesmas obrigações ou quase as mesmas previstas na classificação. O casino será sempre um espaço de comércio e de cultura. De outro modo será mais um equipamento a dar prejuízo para todos pagarmos.
O Plano de Pormenor está em vigor? Não parece e mesmo que estivesse, os pareceres terão ser objetivos e específicos para aquele imóvel. Andamos a brincar e quem paga é o casino. Um abraço para todos os conterrâneos.

Corre Costas disse...

O "Papão da venda" aparece no Plano e Orçamento para 2012. O regulamento do Plano de Pormenor foi aprovado e publicado no Diário da República nr 13 de Jan 2008, consultar o art.º 45º que trata sobre o Património Concelhio -Casino- . Apetição é apresentada a 13 de Jan de 2011.
De más intenções está o inferno cheio! Já chega de desculpas de má pagador, sr. Anónimo!

Lone Ranger disse...

Estar contra a classificação do imóvel só pode ser ignorância ou dor de corno. Se a classificação não prejudica mas só beneficia porquÊ esta contestação?Ou é expressão da energia (?) dos que nada fazem, nem por si (vejam-se os erros de ortografia) quanto mais pelos outros. É certo que também podem ser agentes daqueles que queriam tirar algum proveito com base na batota, que é o que há muito por aí, à roda do poder concelhio.
Do Casino, já podem tirar o cavalinho da Chuva.

Anónimo disse...

"Do Casino, já podem tirar o cavalinho da Chuva". Aqui está como um professor de português escreve. A preocupação é a ortografia? O acordo ortográfico dá para tudo. O que interessa são as ideias e as intenções, Sr. professor. Ninguém está contra a classificação. Estou contra a utilização desta bandeira para demonstrar um grande estoicismo e bem fazer, não resolvendo nada em concreto no que ao casino diz respeito. Repito, a classificação é bem vinda. Espero que não seja um escudo para manter o casino como está, ao abandono.
Se querem gastar energia, vamos todos pintá-lo e limpar as zonas adjacentes.

Corre Costas disse...

É um escudo para evitar que numa negociata "escura e suja", seja entregue a uns amigos sem escrúpulos - como já nos habituaram em Armação de Pêra - e o transformem num amontoado de cimento. Desses que fazem encher as contas bancárias voláteis, que pairam entre as Ilhas Caimão, Cabo Verde e o Brasil.

Anónimo disse...

Com tantas falinhas mansas e porque nada fizemos( ou não nos deixaram fazer), hoje temos uma parcela de praia que é privada!!!! Sabiam, eruditos????? Se temos praia privada, qual é o espanto de, no sítio do casino, nascer um belo bloco de apartamentos!!!! Foi isso que pretendemos salvaguardar!!! Mas, como é óbvio, só vê quem quer ver!!!!!

Corre Costas disse...

Era bom falar com algum conhecimento.
faixa privada da praia advém de uma Lei de 1840 sobre o Domínio Marítimo.
O mais grave é que a direcção do Clube de Futebol "os Armacenenses", ocupante do campo de futebol desde 1973, não exercesse a sua condição de uso campeão e deixasse a Câmara Municipal de Silves aparecer como compradora de um espaço que devia ser sua propriedade!!! Negócios comuns??
ou jogadas sujas com o património público? A água benta tem o condão de lavar pecados...mas estes são tão nojentos, que nem a beatice os branqueia!!!!

Armação de Pêra em Revista

Visite as Grutas

Visite as Grutas
Património Natural

Algarve