O défice de participação da sociedade civil portuguesa é o primeiro responsável pelo "estado da nação". A política, economia e cultura oficiais são essencialmente caracterizadas pelos estigmas de uma classe restrita e pouco representativa das reais motivações, interesses e carências da sociedade real, e assim continuarão enquanto a sociedade civil, por omissão, o permitir. Este "sítio" pretendendo estimular a participação da sociedade civil, embora restrito no tema "Armação de Pêra", tem uma abrangência e vocação nacionais, pelo que constitui, pela sua própria natureza, uma visita aos males gerais que determinaram e determinam o nosso destino comum.

domingo, 26 de março de 2017

Europa, Calvino e Roma, a propósito das bocas de um tal Jeroen Dijsselbloem



Por Henrique Monteiro, in Expresso de 25 de Março de 2017


O muito falado Jeroen Dijsselbloem comentou, a propósito da sua infeliz frase, que aquilo que disse “pode ser explicado com a cultura de rigor holandesa, a cultura calvinista”.

É interessante que se invoque uma cultura religiosa, embora isso na Holanda não seja assim tão estranho.

Mais interessante, porém, é chamar-lhe rigor. O que significa isso? Para muitos, tanto no Norte da Europa como entre a esquerda do Sul, o catolicismo romano é o responsável pelo nosso atraso, ao passo que o protestantismo (e o calvinismo) seria a alavanca do rigor, das boas contas e do progresso.

Ora isso é historicamente falso, como mostra um livro de Maquiavel escrito antes de haver reforma (“Ritratti dele cose dell’ Alemagna, 1508-1512) no qual o autor de “O Principe” escreve que os alemães são muito mais aforradores. Onde os florentinos gastam em festas e roupas, os alemães arrecadam para os anos maus, especifica.

Naturalmente, Max Weber, quando publicou “A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo”, não levou Maquiavel em conta .

Há ainda que dizer que o calvinismo utilizou um terror capaz de fazer inveja à Inquisição. Calvino, em Genebra, nomeou agentes para irem de casa em casa indagar a religião de cada um; aboliu todos os feriados e, apesar de ser francês, decidiu expulsar da cidade pessoas lá nascidas. De sua ação redentora fez parte o que, comummente, se chama caça às bruxas” misturada com uma severa ditadura. Curiosamente este “rigor” daria origem a várias igrejas, entre as quais a calvinista Igreja Reformada Holandesa (existiu até 2004, com dois milhões de membros, quando se fundiu com outras três). Foi também esta a levar, com os boers, o rigor à Africa do Sul, teorizando o apartheid, ou segregação racial.

A “cultura de rigor holandesa, a cultura calvinista” não é melhor ou pior do que a cultura de “rigor” portuguesa. Claro que ninguém é responsável pelos actos dos seus antepassados, a não ser numa visão carregada de preconceito. Era este rigor que a cultura de Dijsselbloem lhe devia ter ensinado.

Sem comentários:

Armação de Pêra em Revista

Visite as Grutas

Visite as Grutas
Património Natural

Algarve