O défice de participação da sociedade civil portuguesa é o primeiro responsável pelo "estado da nação". A política, economia e cultura oficiais são essencialmente caracterizadas pelos estigmas de uma classe restrita e pouco representativa das reais motivações, interesses e carências da sociedade real, e assim continuarão enquanto a sociedade civil, por omissão, o permitir. Este "sítio" pretendendo estimular a participação da sociedade civil, embora restrito no tema "Armação de Pêra", tem uma abrangência e vocação nacionais, pelo que constitui, pela sua própria natureza, uma visita aos males gerais que determinaram e determinam o nosso destino comum.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Mudar é a solução!



Mudar de detergente, no caso concreto, parece ter sido a solução para controlar os excessos resultantes de uma sobredosagem de força aplicada a tarefas que dela não carecem.

A "moral da estória" consiste na via da MUDANÇA para resolver muitos problemas com que nos deparamos diariamente.

Vide o caso da sobrecarga dos impostos: pagamos mais que aquilo que salutarmente deviamos, uma vez que não controlamos os excessos da classe politica dirigente.

Classe politica esta que, mesmo quando é "apanhada" pelos excessos da incontinência, da irresponsabilidade e da insustentabilidade da despesa, se recusa a ver o óbvio, concentrando-se em atacar quem lhe aponta o dedo e não em discutir a natureza dos défices e a necessidade da sua moderação e adaptação. O caso do chumbo do orçamento da C.M. de Silves é disso paradigmático exemplo!

Devemos por conseguinte reflectir maduramente sobre, não só a mudança dos políticos, mas sobretudo do paradigma da classe politica que conhecemos e da sua completa deslealdade na representação dos interesses dos cidadãos.

7 comentários:

Anónimo disse...

Já que a Belinha não consegue fazer aprovar o orçamento da câmara, devido às suas dificuldades de relacionamento, para governar em minoria o que a leva a não conseguir negociar com as várias oposições.

Bem se podia deixar a sua poltrona, e descer ao refeitório iniciando a sua nova profissão de lavadoura de pratos.

Anónimo disse...

Lavar pratos devias ir tu Ó ALARVO!

Anónimo disse...

Alarve! (seu ignorante)

Anónimo disse...

Afinal o que é isto???
Então não concordam que seria melhor, para todo o concelho de Silves, que a dra. Isabel Soares desse inicio a outras tarefas?
Lavar loiça não é nenhuma tarefa desonesta nem ofensiva.
Eu acho que era melhor para todos que a presidente se dedicasse a este tipo de tarefas, sem querer ofender ninguém,é só uma firme convicvção que tenho.

Anónimo disse...

Não se deve exigir o desempenho de tarefas para as quais as pessoas não estejam preparadas.
Lavar loiça não é nenhum orçamento.

Anónimo disse...

E dos orçamentos da dra. Isabel Soares tem resultado a ruina do concelho de Silves.
Sugerir este tipo de tarefas, que não exigem grande esforço fisico ou intelectual, à presidente dra. Isabel Soares, não deveria ser considerado ofensivo por ninguém!
Lavar loiça até pode ser terapeutico.
Vá dra. Isabel Soares, quem sabe não encontra a verdadeira vocação.
Adelina, socorro!

Anónimo disse...

Estou estupefacta com as atrocidades de certos comentários e o baixo nível de alguns '' anónimos'' . Já que apelamos à mudança e ao agir de cada um, façam-no! Em vez destas criticas néscias que não levam a desenvolvimento, nem a evolução, nem a cousa nenhuma ;)

Armação de Pêra em Revista

Visite as Grutas

Visite as Grutas
Património Natural

Algarve