O défice de participação da sociedade civil portuguesa é o primeiro responsável pelo "estado da nação". A política, economia e cultura oficiais são essencialmente caracterizadas pelos estigmas de uma classe restrita e pouco representativa das reais motivações, interesses e carências da sociedade real, e assim continuarão enquanto a sociedade civil, por omissão, o permitir. Este "sítio" pretendendo estimular a participação da sociedade civil, embora restrito no tema "Armação de Pêra", tem uma abrangência e vocação nacionais, pelo que constitui, pela sua própria natureza, uma visita aos males gerais que determinaram e determinam o nosso destino comum.

quinta-feira, 1 de novembro de 2007

10.000


Foram mais de dez mil os visitantes deste Blog, em cerca de onze meses. Se mais não houvessem, sempre seriam dez mil razões para continuar.
A todos o nosso muito obrigado pela partilha deste espaço que é expressão da sociedade civil, descomprometida partidáriamente, e se pretende de combate e resistência civica, profundamente comprometida com os principios da constituição material do estado-de-direito-dos-cidadãos e, naturalmente, com um entendimento de cidadania, diverso da tão comum resenha de obrigações, de cariz mais ou menos disciplinar, definidas de cima para baixo, como, de entre as mais significativas, o dever de cumprir serviço militar ou o de pagar impostos contra o direito de votar, isto é de eleger um representante cuja actividade a desenvolver só muito dificilmente é passivel de controlo efectivo pelos eleitores.

Também aqui, há vida para além do défice (neste caso democrático):
Como ensina Jean Rivero:” Les droits de l´homme sont des libertés. Ils permettent à chacun de conduire sa vie personnelle comme il l’entend. Ils lui conferment une sphere d´autonomie dans lequelle la société ne peut s’ immiscer. Ainsi en est-il de la liberté individuelle, de la liberté d’ opinio, de la propriété. Les droits du citoyen sont des pouvoirs: ils assurent la participation de tous à la conduite de la Cité. Par là, ils excluent toute possibilité d’opression de la part de celle-ci : tels sont”le droit de concourir à la formation de la volonté générale”, le droit de consentir à l’ impôt, etc.”

Entendida assim a CIDADANIA, como um PODER, a ser exercido pela sociedade civil, dentro e fora das instituições, pela via da participação, prosseguiremos concorrendo para a formação da vontade geral, pelo respeito da mesma por parte dos eleitos, em resistência ao alheamento e à alienação, como um dever livremente assumido. De cidadania!

13 comentários:

Anónimo disse...

Estes são os manifestantes do sapal? Reivindicam, também, os seus direitos? Têm o meu apoio!

Anónimo disse...

Nessa última fotografia só é possível contabilizar uma terça parte dos sapos que a Dr.ª Isabel Soares e a D. Adelina Capelo já engoliram desde que foi criado este brilhante blog!!! Parabéns ao seu Autor!!!

Anónimo disse...

Parabens pelos 10.000 visitantes!
Para quem não, declaradamente, pretende qualquer poleiro em Silves, é obra.
Sou silvense, atento ao movimento blogista, e a outras manifestações da sociedade politica e civil e sinto-me beneficiado com a existencia deste blog, apesar de "descascar" essencialmente na Presidente da Câmara da minha cidade.
Não tenho partido e voto de acordo com a qualidade das ofertas ao eleitorado. Votei Isabel Soares e este blog e não só, ajudaram-me a reflectir sobre se fiz a melhor opção.
Não tenho uma ideia formada em definitivo, mas a vossa opinião considero ter de levar em conta, mesmo sem lhe ser obediente, claro está.
Continuem pois a vossa ajuda conta. Pelo menos para mim, que represento pelo menos três, a minha mulher e filha qua chegou agora aos dezoito anos.

Anónimo disse...

Como Português e Armacenense sinto-me gratificado por existirem pessoas que se dão ao trabalho de manterem este espaço de democracia participativa dedicada à minha terra sem quererem nada em troca.

Muitos parabéns e que contem muitos 10000.

Anónimo disse...

Um dia, nasceu um sapinho que, com poucos dias de vida, ainda ingénuo e descuidado, caiu num buraco. O buraco para o sapinho era um paraíso: razoavelmente amplo, aquecido, com um pouco de água, escurinho e principalmente livre de perigos. Era tudo que o sapinho precisava para a sua sobrevivência!

O tempo foi passando e o sapinho transformou-se em sapo, e de sapo virou um sapão, gordo e entediado.

Certo dia, o sapão recebe a visita inesperada de um bicho estranho.

- Quem é você?! – pergunta o sapão assustado.

- Sou um sapo como você, oras bolas.

- Você é um sapo como eu?! – exclama o habitante do buraco.

- Meu amigo, existem milhares de sapos como eu e você no mundo lá fora.

- Mundo lá fora?! Como assim?

- Pois é, meu caro... existe um mundo lá fora, e ele é maravilhoso. Existem tantas coisas magníficas, principalmente umas criaturazinhas especiais, razão maior da nossa vida de sapo: as sapinhas.

- Sapinhas?!

- Isso mesmo! Sapinhas. Com elas ficamos cantando nas lagoas, assistindo ao entardecer e comendo mosquitos que voam desgovernados.

- Lagoas?! Mosquitos?!

- E mais, quando anoitece o céu é lindo, cheio de estrelas.

- Epa! Aí você não me convence. Eu também, todas as noites, consigo contar umas cinco ou seis estrelas.

- Pois é, esta é a grande diferença que temos; eu nem posso contar quantas estrelas existem, pois são centenas, ou melhor, milhares de estrelas.

E assim, o sapo do mundo vai dizendo as vantagens de viver em liberdade, mas em determinado momento, para e diz:

- Por outro lado, o mundo lá fora apresenta riscos. Tem um bicho terrível que precisamos ter muito cuidado. Quando menos esperamos, ele chuta-nos como ma bola de futebol, atira-nos sal para o nosso corpo e coloca-nos álcool nas nossas costas e depois, ai, ai, ai, ateia o fogo, e então nós saímos pulando, pulando. E por falar em pular, já está próximo do entardecer, então vou dar um pulinho até a lagoa.

- Pulinho?! Eu nunca pulei!.

- Pular é da nossa natureza. A propósito, você não gostaria de ir comigo?

- Pensando bem, com todos estes riscos que você me disse, acho melhor não. Prefiro ficar no meu conforto, pelo menos aqui eu conheço e sei que não vou ter surpresa. Pode ir... eu fico bem!

E o sapão continuou ali, no conforto do seu buraco...

Esta fábula aplica-se aos Armacenenses, bem pode o JJJ e mais uns quantos ficar à espera das reacções dos habitantes desta vila.
Podem esperar sentados!!!!

Anónimo disse...

Efectivamente, temo que o Sr. Armacenense de Fora tenha razão!!! Grande parte dos Armacenenses são demasiadamente comodistas e conformistas... assistem à descaracterização da sua vila com a maior das naturalidades e sem um único grito de revolta... Talvez tudo se deva apenas ao desconhecimento dos seus direitos...

Contudo, conversa de café não falta, mas quando é para actuar, ficam-se pelas palavras...

No entanto, pelo que pude aperceber-me, existem alguns armacenenses que não deixarão de manifestar a sua revolta e a sua insatisfação para com o actual executivo camarário aquando de uma próxima Assembleia Municipal a realizar na vila!!!

Anónimo disse...

Quem faz comentários a dizer mal de Armação de Pêra não é pessoa de bem!
Os comentários feitos por anónimos sobre a nossa terra só vêm demonstrar que essas pessoas não são de cá e não gostam de Armação nem um bocadinho.
E como diz o ditado “quem não sente não é filho de boa gente”.
Os Armacenenses não costumam engolir sapos e muito menos são moscas mortas como os anónimos ou quejandos querem fazer querer.
Não somos muitos mas sabemos tratar da nossa vida e podem ter a certeza que somos capazes de fazer muitas coisas e bem, talvez não sejam as que interessam às minorias, mas em democracia é mesmo assim.
Ponham os olhos no nosso Clube de Futebol os Armacenenses e reconheçam o excelente trabalho do Carlos e da sua equipa, quantas actividades desportivas temos em curso e quantos jovens de todas as idades nelas participam.
Ou se informem!
Ou se calem para sempre!!!!

Anónimo disse...

E calaram-se??????

Anónimo disse...

Adelina Capelo, o fantoche do Regime no Poder, o embuste ou o ardil criado para burlar a nossa inteligência... Dona Adelina Capelo, toda a gente sabe bem que a Sr.ª não é de Armação de Pêra, nunca foi, não o é agora, nem nunca há-de o ser...

Fique lá por Silves, agarradinha ao seu tacho e não venha com conversa fiada, que nós, Armacenenses já não temos paciência para ler as suas barbaridades e a gozar com a nossa terra...

Uma coisa tem razão, Os Armacenenses não costumam engolir sapos e muito menos são moscas mortas como a Sr.ª que não passa de uma criação artística de quem depende de quem está no poleiro camarário...

Já agora, deixe o futebol em paz, porque o circo da bola não nos alimenta nem nos traz mais qualidade de vida, e se julga que vai apagar as atrocidades e as promessas não cumpridas da sua Dr.ª Soares, está muito enganada!!!

Anónimo disse...

O rosbs não conhece mesmo Armação, escreve escreve mas não diz nada de jeito.
Desconhece completamente o trabalho que se faz no clube, vê-se logo que vive por cá!
Mas querem vencer, querem, convencidos, convencer. Vençam lá, à vontade. Sobretudo, vençam sem me chatear.

Anónimo disse...

Adelina = Padeira de Armação de Pêra, esta mulher chega para todos e ainda sobra.
Cuida-te Fernando ou nas próximas eleições a Isabel troca-te.

Anónimo disse...

Sr. Armacenense de Fora,
Apreciei muito a sua fábula. Não será bem um La Fontaine, mas está linda. E eu que pensava que já tinham caído em desuso. Parabéns! Tanto mais que ilustra bem o que pretende dizer!

Anónimo disse...

Subscrevo integralmente as sábias palavras de Robespierre, as quais possuem o condão de incomodar o regime Soarista, bem como aqueles que dele dependem para sobreviver...

Todos nós sabemos que a Adelina Capelo é a criação artística do pobre diabo que come na mão da Rainha, não passa de um símbolo da arrogância e da prepotência de quem está no poleiro e julga que faz passar por idiota o cidadão comum!

Sr. am muito atento, talvez a Adelina Sem Pelos consiga engana-lo a si e aos demais apoiantes com palas nos olhos da Rainha... Mas nunca irá enganar os Armacenences incorruptíveis, esclarecidos e lúcidos com a demagogia politica do executivo camarário de Silves!!!

Armação de Pêra em Revista

Visite as Grutas

Visite as Grutas
Património Natural

Algarve